Garanhuns

Bacia leiteira é tema de debate de Câmara Setorial no Agreste

Atualmente, são produzidos quase dois milhões de litros de leite, por dia, em Pernambuco

Editoria de Economia
Editoria de Economia
Publicado em 28/05/2019 às 6:34
Notícia
Foto: Rhudá Jardim/Divulgação
Atualmente, são produzidos quase dois milhões de litros de leite, por dia, em Pernambuco - FOTO: Foto: Rhudá Jardim/Divulgação
Leitura:

Fomentar negócios relacionados à bacia leiteira de Pernambuco foi o tema da primeira reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados, realizada nessa segunda-feira (27), em Garanhuns, Agreste do Estado. Criada em março deste ano, a câmara reuniu representantes do governo do Estado, produtores de leite e indústrias do setor. Atualmente, são produzidos quase dois milhões de litros de leite, por dia, no Estado, mas apenas 300 mil são utilizados pelas empresas locais na produção de laticínios e leite UHT, por exemplo.

Uma das principais reivindicações dos produtores foi a falta de mercado e a queda dos preços de venda devido à mudança no comportamento das grandes indústrias de laticínios, que mesmo instaladas no Estado através do Programa de Desenvolvimento do Estado de Pernambuco (Prodepe), têm reduzido o uso do leite in natura produzido na região em detrimento do leite em pó produzido no Sudeste, ou importado de países como Austrália e Nova Zelândia.

O segmento gera cerca 100 mil empregos diretos e indiretos na atividade de produção de leite em Pernambuco

"Existem regras no Prodepe que determinam porcentagens de compra do leite produzido no Estado. Vamos intensificar a fiscalização para que empresas que não estiverem cumprindo esse percentual sejam autuadas e possam perder o benefício", afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach. "A fiscalização é importante mas, às vezes, através do diálogo a agente consegue produzir muito mais, e é isso que estamos fazendo na câmara setorial", pontuou Bruno Schwambach.

Para o presidente do Sindicato dos Produtores de Leite de Pernambuco (Sinproleite-PE), Saulo Malta, a câmara ajuda a reunir os entes interessados no crescimento do setor. "Porque as indústria vão buscar leite em outro estado tendo em Pernambuco? Nosso pior inimigo é o leite em pó. Por isso pedimos que o Estado fizesse uma auditoria nas empresas que tenham Prodepe", reclamou Malta, do Sinproleite-PE.

EXPECTATIVA DO SEGMENTO

Os produtores esperam que até o início de junho essa auditoria seja concluída. Ao todo, 32 empresas são beneficiadas pelo Prodepe. A bacia leiteira pernambucana envolve 27 localidades da Zona da Mata, Agreste e Sertão. O setor tem sofrido desde o período mais agudo d a seca no Estado a ponto de ter perdido mais de 550 mil animais do rebanho bovino entre 2012 e 2018.
Hoje, dos 107 mil produtores,cerca de 40 mil trabalham diretamente com os produtos da bacia leiteira. Pernambuco é o segundo maior produtor do Nordeste, só perde para a Bahia, e o 8º no Brasil.

Como produz mais do quem vem sendo utilizado pelas indústrias, o excedente é comprado por queijarias ou vendido para pequenos laticínios clandestinos. "O litro do leite hoje é vendido por R$ 1,10. Há quatro meses estava a R$ 1,47. Queijo barato na feira é igual a leite vendido barato pelo produtor", disse Malta.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias