Racismo

Vítima de incidente racista presta queixa contra torcedores do Chelsea

O incidente foi flagrado em um vídeo gravado na última terça-feira por um cidadão britânico que mora em Paris, poucas horas antes da partida entre o Chelsea e o Paris Saint-Germain

Da AFP
Da AFP
Publicado em 19/02/2015 às 16:21
Foto: GUARDIAN NEWS & MEDIA LTD / AFP
O incidente foi flagrado em um vídeo gravado na última terça-feira por um cidadão britânico que mora em Paris, poucas horas antes da partida entre o Chelsea e o Paris Saint-Germain - FOTO: Foto: GUARDIAN NEWS & MEDIA LTD / AFP
Leitura:

O homem que foi impedido de entrar no metrô de Paris por torcedores do Chelsea que entoavam cantos racistas, prestou queixa numa delegacia, informou nesta quinta-feira à AFP uma fonte judicial.

O incidente foi flagrado em um vídeo gravado na última terça-feira por um cidadão britânico que mora em Paris, poucas horas antes da partida entre o Chelsea e o Paris Saint-Germain, válido pelas oitavas de final da Liga dos Campeões.

Nas imagens, publicadas pelo jornal The Guardian, é possível ver um grupo de torcedores dos 'Blues' empurrando com força duas vezes um homem negro que tentava subir no vagão de metrô, aos gritos de "Somos racistas, somos racistas e gostamos disso". 

"Não sabia que estava sendo filmado. O fato de falar agora me dá coragem para prestar queixa na polícia", declarou Souleymane S., que o jornal Le Parisien diz ser a vítima do ato racista.

"Essas pessoas, esses torcedores ingleses, precisam ser encontrados e punidos. O lugar deles é na cadeia. O que aconteceu não pode passar batido", acrescentou o homem de 33 anos em entrevista ao jornal.

Souleymane é um cidadão franco-mauritano nascido em Paris, residente no Val D'Oise, distrito do subúrbio da capital. Ele trabalha perto da estação de metrô Richelieu-Drouot, onde ocorreu o incidente.

De acordo com o jornal, ele "não estava a par da repercussão que a história teve na mídia".

"Queria entrar no vagão, mas um grupo de torcedores ingleses me bloqueava, me empurrava para fora. Eles falavam coisas em inglês, mas não entendia o que queriam dizer", lembrou Souleymane, explicando que entendeu apenas "que se tratavam de torcedores do Chelsea".

"Entendi que fui escolhido como alvo por causa da minha cor de pele. Convivo com racismo no dia a dia, então não fiquei tão surpreso, apesar de ter sido a primeira vez que alguém me ofendeu no metrô", relatou.

"Voltei para casa sem falar sobre esta história para ninguém, nem para minha mulher ou meus filhos. O que dizer a eles? Que papai foi agredido no metrô porque é negro? Não serve para nada", completou.

O ministério público de Paris informou nesta quarta-feira que abriu uma investigação sobre o caso, por "violência intencional por motivos raciais num meio de transporte coletivo", e já recebeu o apoio de Scotland Yard.

O incidente gerou inúmeras reações de repúdio no mundo do futebol e da política, sendo condenado, entre outros, pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, ou o premiê britânico, James Cameron.

Últimas notícias