Copa América

Chile vence Argentina de novo nos pênaltis e fatura o bi na Copa América

O Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4x2) na final da edição do Centenário, depois do empate sem gols

JC Online
JC Online
Publicado em 27/06/2016 às 0:09
NELSON ALMEIDA/AFP
O Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4x2) na final da edição do Centenário, depois do empate sem gols - FOTO: NELSON ALMEIDA/AFP
Leitura:

O Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis  (4x2) na final da edição do Centenário, depois do empate sem gols com bola rolando, neste domingo (26/06), em Nova Jersey,  repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou o primeiro título continental em casa.

A diferença em relação à decisão de 2015 é que a frustração foi ainda maior para o  craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'. O volante Lucas Biglia também errou, parando no goleiro Claudio Bravo, que acabou se tornando o herói do bicampeonato apesar de ter levado frangos monumentais na primeira fase.

Foi o terceiro vice-campeonato da Argentina em três anos, depois da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e da Copa América de 2015, no Chile. As duas equipes terminaram o jogo com um a menos, com as expulsões do volante chileno Marcelo Díaz, aos 28, e do lateral argentino Marcos Rojo, aos 42 minutos.

O primeiro tempo foi bastante trucado, com mais lances violentos que jogadas de efeito. Tanto que o árbitro brasileiro Héber Roberto Lopes foi o grande protagonista, com decisões polêmicas: duas expulsões severas e até um cartão amarelo em Messi, por simulação.

O Chile dominou o segundo tempo, com o Arturo Vidal mandando no meio de campo e a Argentina se contentando com escassos lampejos de Messi nos contra-ataques.

Os argentinos melhoraram na prorrogação e o craque do Barça teve a bola do título numa cobrança perto da área a cinco minutos do  fim, mas esbarrou na barreira.

Nos pênaltis, a perna do camisa 10 tremeu de novo e a bola foi parar na arquibancada, para o desespero dos 'Hermanos' e a alegria da melhor geração da história do futebol chileno.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias