Mundial

Presidente da Fifa estuda Copa do Mundo com 48 países

Mandatário da entidade pensa em adicionar 16 equipes à competição

JC Online
JC Online
Publicado em 03/10/2016 às 19:11
Divulgação/FIFA
Mandatário da entidade pensa em adicionar 16 equipes à competição - FOTO: Divulgação/FIFA
Leitura:

Gianni Infantino, presidente da Fifa, declarou nesta segunda-feira (2), que estuda um projeto para aumentar o número de países classificados para a Copa do Mundo de 32 para 48, ao participar de um evento em Bogotá, na Colômbia. Segundo o mandatário, a decisão será tomada em janeiro de 2017 para o Conselho da entidade.  

Infantino se elegeu presidente da Fifa em 26 de fevereiro. Entre as propostas de campanha estava a ampliação do número de classificados à Copa do Mundo para 40 países, mas críticos argumentavam que o modelo dificultava a criação de um formato simples e adequado para a disputa do torneio.

Segundo Infantino, o modelo proposto neste momento eliminaria 16 equipes após uma única rodada eliminatória, o que garantiria a disputa da tradicional fase de grupos com 32 times. As mudanças entrariam em vigor a partir de 2026.

“A ideia é que 16 times se classificarão diretamente para a fase de grupos. Outros 32 jogariam uma fase preliminar no país onde a Copa do Mundo é disputada. Assim, eles brigariam pelas 16 vagas restantes”, disse o dirigente.

“Isso significa que continuaríamos a ter uma Copa do Mundo normal para 32 equipes, mas 48 iriam para a festa”.Infantino afirmou que o projeto é mais uma alternativa que poderá levar à renovação da disputa da Copa do Mundo.

“Estas são ideias postas para se encontrar a melhor solução. Debateremos todas elas neste mês e decidiremos tudo até 2017”.

O mandatário declarou que “a ideia da Fifa é desenvolver o futebol no mundo inteiro”, disse. “A Copa do Mundo é o maior evento que existe. É mais do que uma competição, é um evento social", adicionou. 

OPOSIÇÃO

A ampliação do número de equipes na Copa do Mundo não tem encontrado respaldo na Europa. O técnico da seleção alemã, Joachim Low, disse que a medida “diluiria” o valor esportivo do torneio. Nos bastidores, clubes europeus também têm feito pressão para que a competição siga com 32 equipes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias