COPA AMÉRICA

Neymar ainda com influência na seleção brasileira

Mesmo cortado por lesão da Copa América, Neymar segue conversando com os jogadores do Brasil

JC Online
JC Online
Publicado em 12/06/2019 às 20:33
Notícia
AFP
Mesmo cortado por lesão da Copa América, Neymar segue conversando com os jogadores do Brasil - FOTO: AFP
Leitura:

O corte por uma lesão no tornozelo direito não significou o desligamento completo de Neymar do cotidiano e das conversas com os demais jogadores da seleção brasileira. O atacante do Paris Saint-Germain continua ativo no grupo de WhatsApp criado para os convocados para a Copa América ao manter a frequência no envio das mensagens, geralmente com incentivos.

CONFIRA O ESPECIAL SOBRE A COPA AMÉRICA

Presente na seleção desde 2010, Neymar é ex-capitão da equipe e a liderança técnica desta geração. O jogador brasileiro com mais renome na Europa está fora da Copa América por lesão, mas usa o telefone celular e a participação no grupo de WhatsApp como uma forma de amenizar a frustração pelo corte, assim como minimizar os problemas causados pela denúncia por estupro e agressão.

"Nós nos falamos diariamente por vários motivos, o Neymar está sempre presente, é um dos nossos líderes, com peso imenso no vestiário. É importante ele passar a imagem de que está bem. Precisamos que ele nos anime e dê força porque queremos ganhar essa competição", disse o lateral-esquerdo Filipe Luís.

O experiente jogador do Atlético de Madrid tem 33 anos é um dos líderes de um elenco que perdeu o principal talento. Dentro da seleção brasileira atual, outros jogadores também desempenham papel de referências como o capitão, Daniel Alves, e outros nomes que pela experiência ou currículo na seleção brasileira também tenham esse peso, como é o caso do zagueiro Thiago Silva.

No entanto, a participação de Neymar apenas pelo WhatsApp força o elenco entender a necessidade de buscar opções no grupo para suprir a ausência do antigo camisa 10. "Na vida não há ninguém insubstituível. Grandes estrelas deixaram de jogar e sempre veio alguém novo. Perdê-lo é complicado. Mas todos aqui estão preparados da mesma forma", comentou Filipe Luís.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias