COPA AMÉRICA

Com Maracanã cheio, Argentina bate Venezuela e encara o Brasil

Com gols de Lautaro Martínez e Lo Celso, hermanos fizeram 2x0 nos venezuelanos

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 28/06/2019 às 18:45
Notícia
AFP
Com gols de Lautaro Martínez e Lo Celso, hermanos fizeram 2x0 nos venezuelanos - FOTO: AFP
Leitura:

O Maracanã teve casa cheia para receber a seleção argentina nas quartas de final da Copa América nesta sexta-feira (28/6): 42.495 pagantes e 7.599 não pagantes compareceram ao estádio carioca para prestigiar a equipe de Lionel Messi contra a Venezuela. A renda foi superior a R$ 9,1 milhões. Os hermanos levaram a melhor, 2x0, e agora vão enfrentar o Brasil nas semifinais. O jogo será realizado na terça-feira, no Mineirão. 

VEJA O ESPECIAL A AMÉRICA NO JC 

A Argentina começou o duelo pressionando. Nos primeiros 10 minutos de partida, ficou o tempo todo no campo de ataque. Aguero tentou duas vezes, mas parou no goleiro Fariñez. Aos nove, saiu o primeiro gol. Messi cobrou escanteio pela esquerda, Aguero chutou de primeira e Lautaro Martínez desviou de letra para abrir o placar.  Foi o sexto gol do atacante em 10 partidas pela seleção argentina. Ele é o artilheiro da era Lionel Scaloni na frente da equipe.

Após o gol e a pressão inicial, a Argentina recuou, e o jogo ficou amarrado no meio de campo durante todo o primeiro tempo. Na etapa final, a Argentina voltou melhor. Logo nos primeiros minutos, Lautaro Martínez recebeu de frente para o goleiro venezuelano, mas chutou para fora e desperdiçou uma grande oportunidade.

Atrás do placar, a Venezuela precisou se abrir para buscar o empate, e o jogo melhorou. E a Argentina teve melhor sorte: aos 28, Lo Celso aproveitou rebote em chute de Aguero e deu números finais ao placar no Maracanã. A última vez que Brasil e Argentina se enfrentaram em um jogo mata-mata foi em 2014, no Superclássico das Américas, com 2x0 para a Canarinho. 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias