copa do brasil

'Clube pobre que ganha nova vida', diz presidente do Afogados após eliminar Atlético-MG na Copa do Brasil

O Afogados superou o Atlético Mineiro e garantiu a classificação para a terceira fase da Copa do Brasil. Valor da cota de R$ 2.69 ajudará clube em ascensão

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 27/02/2020 às 12:43
Notícia
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
O Afogados superou o Atlético Mineiro e garantiu a classificação para a terceira fase da Copa do Brasil. Valor da cota de R$ 2.69 ajudará clube em ascensão - FOTO: Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Leitura:

A classificação para a terceira fase da Copa do Brasil garantiu uma cota de R$ 2.69 milhões para o Afogados, clube do Sertão de Pernambuco que completará sete anos de sua fundação em dezembro de 2020. O time comandado pelo técnico Pedro Manta não tem sede e utiliza o estádio da prefeitura, o Valdemar Viana de Araújo, o Vianão, para treinar e mandar seus jogos em competições oficiais. O presidente do clube, João Nogueira, revelou que a prioridade agora é aplicar o dinheiro que receberá da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e encontrar um terreno para construir o Centro de Treinamento da Coruja.

O mandatário confessou que o time sertanejo é pobre e aguarda com grande expectativa o valor da cota para iniciar os projetos do clube. "Esse dinheiro será aplicado quando for depositado em nossa conta. Vamos tirar uma parte para fazer a manutenção do dia a dia e a outra será aplicada para um investimento maior que tem como destino final o nosso CT", comentou João, que continuou. "Hoje utilizamos o campo da prefeitura e precisamos de um local para desenvolver o nosso futebol. Não sei quando vai sair o dinheiro, acho que em março. Depois, vamos procurar o terreno. Tem que ser um loca adequado, um terreno que tenha água, na margem do rio (Pajeú) para aguar o campo com facilidade e todos os dias. Não adianta ser em um lugar longe do rio, porque com a seca não conseguiremos água", destacou.

Fundado em 18 de dezembro de 2013, o Afogados vem crescendo no cenário regional nos últimos anos. João Nogueira explicou que o trabalho realizado no clube é pautado pela austeridade e, por isso, os resultados são colhidos em campo. "A gente não tinha dinheiro. O clube é pobre, nem sede a gente tem. Esse momento, com essa vitória e classificação, o clube ganha nova vida, cara nova. O Afogados é um clube novo, fundado em 18 de dezembro de 2013. A diretoria trabalha com seriedade, contrata jogadores bons para tentar competir. Pode observar que de uns três anos para cá foi cada vez melhor. Esse ano vai melhor mais ainda. Está crescendo e se destacando", argumentou.

BICHO PARA OS JOGADORES

A diretoria da Coruja também vai premiar os jogadores do clube, responsáveis pelo ascensão em campo. O presidente disse que R$ 250 mil serão destinados para o pagamento do bicho dos atletas. "Eles merecem demais. Eles têm que comer parte dessa premiação porque são protagonistas. Somos os dirigentes, mas não decidimos nada em campo. Eles são os responsáveis", concluiu.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias