Jefferson Nem

No Náutico, Jefferson Nem diz não ter posição preferida para atuar

Contra o Ferroviário, o jogador atuou na ponta esquerda do ataque, mas também joga como meia

Fernando Marinho
Fernando Marinho
Publicado em 18/07/2019 às 7:58
Notícia
Léo Lemos/Náutico
Contra o Ferroviário, o jogador atuou na ponta esquerda do ataque, mas também joga como meia - FOTO: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

Titular na vitória contra o Ferroviário, o meia-atacante Jefferson Nem atuou na maior parte do jogo pela ponta esquerda do ataque do Náutico, assim como jogava em sua primeira passagem pelo clube. Nos dois anos em que esteve fora, no entanto, o jogador passou a atuar flutuando pelo meio, como meia de criação, especialmente quando defendeu o Guarani. Sem demonstrar preferência por onde atuar, Nem revelou que começou no futebol justamente como meia.

"Quando eu comecei aqui eu era meia, na verdade, daí o professor daqui me optou por colocar na ponta, também por causa da minha característica de velocidade, então não vejo dificuldade em receber a bola por dentro, acho que isso facilita para mim e também para os laterais, para ter ultrapassagem. Me sinto bem jogando em qualquer função, no meio ou na ponta", destacou.

No próximo domingo, contra o Treze, Jefferson Nem vai ter a chance de reencontrar os Aflitos, estádio em que atuou apenas na base do Náutico. "Eu espero trabalhar forte essa semana, esperar a oportunidade novamente e se chegar procurar aproveitar da melhor maneira. Voltar a jogar nos Aflitos é a melhor coisa, foi onde comecei na base, então espero encontrar os Aflitos lotado e conseguir a vitória", disse.

PARTE FÍSICA

Antes de reestrear pelo Náutico na vitória contra o Ferroviário, na última rodada da Série C, Jefferson Nem havia jogado apenas três partidas na temporada, pelo Guarani. O jogador revelou que não estava 100% fisicamente no último jogo, mas a partir de agora não tem mais tempo a perder.

"Acho que não tem mais prazo. Eu cheguei, acho que só treinei quatro dias com o time titular, ainda estou conhecendo a rapaziada, como eles gostam de receber a bola, eles também estão me conhecendo. Acho que não tem como esperar mais, cada jogo vai ter que ser na superação e na vontade e espero fazer boas partidas", comentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias