APOIO

Volante Miro com torcida especial na estreia como titular do Náutico

Mãe, irmã, esposa e filhinha do jogador, de 18 anos, foram aos Aflitos acompanhar Náutico x Afogados

Fernando Castro Fernando Castro
Fernando Castro
Fernando Castro
Publicado em 10/02/2020 às 22:27
Fernando Castro/JC
Mãe, irmã, esposa e filhinha do jogador, de 18 anos, foram aos Aflitos acompanhar Náutico x Afogados - FOTO: Fernando Castro/JC
Leitura:

No jogo contra o Afogados, pelo Campeonato Pernambucano, oito dos jogadores titulares do Náutico foram formados nas categorias de base do clube. O volante Miro era um deles. Com apenas 18 anos, o jogador fez sua estreia como titular no profissional e recebeu uma torcida especial na arquibancada do estádio dos Aflitos. A mãe Luciene Maria, a irmã Cleciane Laís, a esposa Isabele Vilar e a filhinha Maria Heloísa, de apenas quatro meses, estiveram dando força ao volante.

Com apenas 14 anos, Miro chegou ao Náutico em 2016, para integrar o sub-15 das categorias de base. Desde então, disputou no ano passado e nesta temporada a Copa São Paulo de Futebol Júnior, principal competição de base do país. Quando voltou da disputa neste ano, foi integrado ao elenco profissional pela primeira vez. Na última rodada do Estadual, contra o Vitória das Tabocas, na Arena de Pernambuco, Miro estreou como profissional, entrando durante o segundo tempo.

"A nossa torcida é muito grande, desde os 14 anos ele está aqui no Náutico, sempre lutando com muita garra. O caminho é árduo, mas aos poucos tem conseguido conquistar o espaço dele. No ano passado ele foi para a Copa São Paulo, esse ano foi de novo e quando voltou foi para o profissional direto. Ele tem encarado essa oportunidade com muita alegria. Esse é o segundo jogo que ele é relacionado depois que subiu para o profissional", comentou a mãe de Miro, dona Luciene.

INÍCIO

Antes de chegar ao Náutico em 2016, Miro começou a caminhada no futebol nos campos de várzea, no bairro da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife. A mãe do volante contou que o filho sempre quis ser jogador de futebol e batalhou muito para que o sonho fosse realizado. Agora, a família espera que o jogador possa dar muitas alegrias a torcida alvirrubra dentro de campo.

"Ele começou a jogar futebol desde novinho, nos campinhos perto da nossa casa. Antes de chegar ao Náutico ele participou de muitos campeonatos no interior de Pernambuco e na Paraíba também. Aos poucos foi conseguindo o espaço dele. Ele teve um treinador que saia da Torre para treinar os meninos na Imbiribeira e conseguiu uma vaga para ele aqui no Náutico", disse Luciene.

Últimas notícias