ATRASO

Quase quatro anos depois, Geraldão tem apenas 56% da obra concluída

Ginásio pernambucano está fechado desde julho de 2013 para reformas

Matheus Cunha
Matheus Cunha
Publicado em 13/05/2017 às 15:16
Matheus Cunha/JC
FOTO: Matheus Cunha/JC
Leitura:

Um gigante adormecido. É assim que o Ginásio de Esportes Geraldo Magalhães, o Geraldão, se encontra. Há quase quatro anos em obras – o cronograma inicial previa um ano de reformas –, uma das principais casas do esporte pernambucano segue com as portas fechadas. Com apenas 56% da reforma feita e R$ 13 milhões gastos, o ginásio segue com o futuro incerto.

Iniciada em julho de 2013, o prazo final para a obra estava previsto para o dia 15 de junho de 2014. Mas cinco termos aditivos ao contrato foram publicados no Diário Oficial do Recife ao longo dos últimos anos, adiando a sua conclusão. O último foi no dia 30 de agosto do ano passado, quando a prazo final foi estendido para 31 de outubro desse ano.

Matheus Cunha/JC
Placa fincada na entrada do Geraldão aponta o fim das obras para dezembro de 2015 - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Fechada do ginásio dá a entender que o local tem obras avançadas, mas apenas nessa parte - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Fechada do ginásio dá a entender que o local tem obras avançadas, mas apenas nessa parte - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Fechada do ginásio dá a entender que o local tem obras avançadas, mas apenas nessa parte - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Na parte de trás há muito entulho e lixo, indicando que ainda falta muito para a obra acabar - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
O mato toma conta da parte de trás do Geraldão - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Geraldão está cercado por tapumes e placas de zinco - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Cobertura já está finalizada, mas as rampas de acesso ainda estão longe de serem concluídas - Matheus Cunha/JC
Matheus Cunha/JC
Pessoas que moram ao lado reclamam da quantidade de mosquitos advindos do entulho que há no ginásio - Matheus Cunha/JC

Hoje, o valor total da reforma do Geraldão está orçado em R$ 45 milhões. Um aumento de R$ 11 milhões em relação ao seu início, quando seriam destinados R$ 34 milhões. O montante é advindo da Prefeitura do Recife e do governo Federal, por meio do Ministério do Esporte.

Em visita ao local, a reportagem do JC não encontrou nenhum funcionário. Cercado por tapumes, as poucas brechas entre uma placa e outra mostravam um Geraldão com cara de novo.

Mato cortado e nenhum material de construção à mostra, dando a entender que, pelo menos do lado de fora, a reforma estava bastante adiantada. Porém, esse cenário ficou apenas na parte voltada para a Avenida Mascarenhas de Morais.

Atrás, próximo as duas quadras que recebem aulas do projeto Segundo Tempo e do Programa Esporte e Lazer da Cidade, havia mato alto, areia e tijolos largados no chão. Os entulhos são motivo de queixa de alguns morados que residem ao lado do ginásio. De acordo com um, que não quis se identificar, os mosquitos tomam conta das casas quando chega a noite, justamente por conta do lixo.

JC-ESP0514_ARTEGERALDO-WEB

Por meio de nota, a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer da Prefeitura do Recife, responsável pela obra, informou que a reforma está paralisada desde novembro do ano passado. O motivo? A crise financeira que o país enfrenta. A secretaria informou ainda que até o final deste mês os funcionários voltarão às atividades, mas ainda não sabe precisar quantos irão.

Dentro dos 56% já finalizados, estão a cobertura do ginásio, recuperação estrutural, revestimento interno e externo e toda a parte de alvenaria. Foi construído também uma piscina semiolímpica, que já está em uso pela população.

Resta saber agora se, finalmente, o prazo final será cumprido ou o Geraldão irá se arrastar por mais um longínquo ano.

CONFIRA A NOTA COMPLETA

Sobre o Ginásio de Esportes Geraldo Magalhães (Geraldão), o Gabinete de Projetos Especiais e a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer do Recife esclarecem que:

As obras do Ginásio de Esportes Geraldo Magalhães (Geraldão) serão retomadas até o final de maio. Parte do serviço já foi concluído, caso do Parque Aquático, que juntamente com as quadras, recebem três mil pessoas por mês desde agosto do ano passado.

A reestruturação do ginásio está orçada em R$ 45 milhões, sendo R$ 20 milhões do Governo Federal, por meio do Ministério do Esporte, e R$ 25 milhões de contrapartida do Município. Ao todo já foram investidos R$ 13 milhões e 578 mil, sendo R$ 7 milhões e 606 mil da Prefeitura do Recife e R$ 5 milhões e 972 mil do Governo Federal.

Cerca de 56% do projeto já foi executado. Desde a inauguração do Geraldão, em 1970, o ginásio nunca havia passado por uma obra dessa magnitude. O projeto inclui intervenções no ginásio em si, na área externa e no parque aquático, que já foi concluído e custou R$ 1 milhão. O parque aquático ganhou uma piscina de 25 metros e uma outra já existente foi recuperada.


O que já foi realizado

1. Parque Aquático:

- Novo parque aquático: Requalificado com a construção de uma piscina semiolímpica e a modernização da piscina antiga. A nova piscina do Geraldão mede 25 x 12 metros, tem seis raias e é adequada para atividades esportivas. Por sua vez, a piscina já existente, de 15 x 6 metros, foi adaptada para cadeirantes e ganhou novo revestimento. Ambas são usadas pela comunidade para aulas de natação e hidroginástica. O público passou a contar também com um moderno vestiário masculino e feminino, com banheiros acessíveis. Atualmente três mil jovens fazem uso desta área.

2. Ginásio:

- Recuperação estrutural;
- Estrutura da coberta;
- Revestimento interno e externo;
- Toda a parte de alvenaria.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias