Arruda

Ricardo Ernesto agarra difícil missão no Santa Cruz

O goleiro assumiu a titularidade no Santa Cruz há três rodada na Série C

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 19/08/2018 às 10:19
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
O goleiro assumiu a titularidade no Santa Cruz há três rodada na Série C - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

O goleiro Ricardo Ernesto precisou de bastante determinação para esperar o momento de ser titular no Santa Cruz. Depois de sete meses, ele assumiu a posição de Tiago Machowski, na antepenúltima rodada da Série C do Campeonato Brasileiro, quando o time não podia pensar em outro resultado que não fosse a vitória contra o Confiança no Arruda. E correspondeu. A Cobra Coral venceu por 4x0 e o arqueiro não tomou nenhum gol desde a partida. Foi assim também quando entrou em campo, na 4ª rodada, contra o Remo.

“Sou um cara que me dedico muito nos treinamentos desde que cheguei aqui no Santa Cruz. Em momento algum, me considerei fora da equipe, sempre tive consciência de que seria útil e nunca deixei de sonhar em ser titular. Está sendo bastante gratificante passar por essa fase. Espero ser coroado com o acesso”, explicou.

Ricardo revelou que buscou inspiração em outros goleiros do Brasil que assumiram a titularidade em um momento difícil. Um deles, citado pelo arqueiro coral, foi Jaílson, do Palmeiras, que esteve na equipe principal do alviverde paulista na reta final do Brasileirão de 2016 e se consagrou campeão. “Existem muitos exemplos de goleiros que entram nas equipes durante decisões e conseguem alcançar os objetivos. Estava pensando no Jaílson nesses dias”, contou.

PREPARAÇÃO

Para poder chegar pronto entre os titulares, o goleiro do Santa Cruz precisou descer um degrau para subir dois em seguida. Com poucos jogos na temporada, sete antes de ser titular, Ernesto foi disputar a competição nacional para jogadores da categoria sub-23 com o objetivo de ganhar ritmo de jogo. Fato fundamental para ele poder corresponder em um momento decisivo, segundo o próprio.

“Esse Campeonato Brasileiro de Aspirantes foi fundamental para a minha entrada no time. Acredito até que o ponto crucial. Em alguns jogos, consegui uma regularidade, a comissão técnica observou o momento e acreditou que era a hora. O goleiro mais que qualquer atleta precisa de sequência. E isso me credenciou”, declarou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias