CONTA NÃO FECHOU

Conselho do Sport rejeita orçamento com déficit de R$ 15 milhões

Diretoria executiva rubro-negra apresentou previsão orçamentária para 2018 com despesa maior do que receita

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 13/12/2017 às 17:10
Foto: Guga Matos/ JC Imagem
Diretoria executiva rubro-negra apresentou previsão orçamentária para 2018 com despesa maior do que receita - Foto: Guga Matos/ JC Imagem
Leitura:

O Conselho Deliberativo do Sport não aprovou a previsão de orçamento do executivo do clube para a temporada 2018. De acordo com o presidente do CD rubro-negro, Homero Lacerda, a proposta apresentava um déficit de incríveis R$ 15 milhões, ou seja, o Leão já entraria no próximo ano com a obrigação de correr atrás de receitas.

"Nós demos um parecer favorável para a aprovação, mas fizemos algumas ressalvas que foram apresentadas à diretoria executiva. O que não aprovamos foi a previsão do executivo para o próximo ano de receita/ despesa. Na previsão que o executivo nos apresentou tinha um déficit de R$ 15 milhões. Os conselheiros acharam por bem não aceitar essa previsão negativa. De partir do início do ano com uma despesa orçada maior que a receita em R$ 15 milhões. Não tem o menos sentido", disparou Homero Lacerda.

Ainda segundo o presidente do conselho leonino, a diretoria executiva do clube precisa refazer o orçamento de 2018 para que seja aprovado já na primeira reunião do próximo ano (ainda existe a possibilidade de ter uma reunião extraordinária). "Não tem outra solução: tem de enxugar e cortar despesas. No máximo, a despesa tem de ser igual a receita. Do contrário, não aprovamos. Isso é uma decisão unânime do conselho deliberativo e vai prevalecer. Não tem como o executivo fugir dessa determinação", falou Homero.

EXECUTIVO

Na coletiva concedida à imprensa, na última terça-feira, Arnaldo Barros, presidente do Sport, respondeu justamente sobre esse assunto em questionamento feito pela reportagem do JC.

"Nossa intenção é fazer o melhor para o clube. Dizer que tenho intenção de reduzir a folha salarial seria precipitado. Antes, eu vou pensar em buscar mais receitas. Estou reforçando o departamento de marketing e reestruturamos a nossa área comercial para buscar mais recursos. Se não conseguir viabilizar essas novas receitas terei de reduzir. Mas não quer dizer que seja somente no futebol, mas também no futebol", disse Arnaldo Barros.

 

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias