PROBLEMA

Juninho, atacante do Sport, vai depor nesta quarta-feira

Jogador se envolveu em uma confusão na saída de uma boate no último sábado

JC Online
JC Online
Publicado em 05/11/2019 às 7:15
Notícia
Bobby Fabisak/JC Imagem
Jogador se envolveu em uma confusão na saída de uma boate no último sábado - FOTO: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Mais uma vez o atacante Juninho volta a ser notícia. Mais uma vez não por fazer gols ou no meio esportivo e sim policial. Nesta quarta (6), às 10h, ele vai ter uma “apresentação” diferente para qualquer atleta, mas que em se tratando dele não é novidade. O local será a Delegacia de Casa Amarela. O motivo é uma confusão na noite do último sábado (2) na saída de uma boate em Casa Forte, na Zona Norte do Recife, na qual, segundo testemunhas, ele teria discutido com um rapaz e sacado uma arma (o advogado do jogador alegou que ele negou essa versão da arma) . Vale salientar que o atacante do Sport foi indiciado por agressão a ex-namorada em 2017 e o processo ainda está sendo concluído pela Justiça.

Um vídeo gravado do lado de fora da boate, bastante compartilhado nas redes sociais, mostra Juninho transtornado sendo contido por três pessoas que o colocam à força dentro de um veículo. Algumas testemunhas chegaram a relatar que o jogador ou o segurança dele estaria armado e teriam sacado a arma no local. O advogado do jogador, Ernesto Cavalcanti, informou que atacante teria dito que a confusão começou quando um homem supostamente teria assediado a mulher que estava com o atleta. “Ele me relatou que esse rapaz importunou e chegou a apalpar as nádegas da mulher e por isso ele reagiu. Daí houve um rápido entrevero, nada muito sério. Mas negou que ele ou o seu motorista estivesse armado. Garantiu que não teve arma alguma e que as pessoas estavam criando isso”, afirmou o advogado.

OUTRO LADO

O rapaz envolvido na confusão foi ouvido pela produção da TV Jornal, mas pediu para não ter a identidade revelada, com medo de represálias. Ele negou a versão de que a confusão teve relação com alguma mulher e disse que foi provocado por Juninho. “Quando passei por ele, ele soltou graça pra mim e continuou até eu chegar perto do meu carro. Aí como não sou de ferro o chamei. Aí apareceram os amigos dele, um tentou dar um murro em mim e os outros foram segurar ele. Foi quando um deles veio conversar comigo, pedindo pra eu ir embora porque ele estava armado”, contou.

Ernesto Cavalcanti acertou com a delegada Lídia Barci, de Casa Amarela, que o jogador e o motorista dele vão se apresentar na quarta de manhã. Em nota a Polícia Civil informou que todos os envolvidos serão intimados a prestar depoimento. Também por meio de nota, o Sport afirmou que o clube está apurando o fato, ouvindo o jogador e que vai resolver o caso internamente no retorno da delegação rubro-negra ao Recife.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias