abertura

Carnaval começa oficialmente em Olinda

Bonsucesso Samba Clube e Alceu Valença fazem parte da programação

Da editoria de Cidades
Da editoria de Cidades
Publicado em 12/02/2015 às 22:31
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Bonsucesso Samba Clube e Alceu Valença fazem parte da programação - FOTO: Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Leitura:

Agora é pra valer. O Carnaval de Olinda começou, oficialmente, na noite desta quinta-feira, por volta das 19h15, com a apresentação da banda Bonsucesso Samba Clube no Fortim do Queijo, bairro do Carmo. Enquanto o grupo apresentava seu novo disco Coração da boca que sai, ao público, no Palácio dos Governadores (sede da prefeitura municipal), os oito homenageados da folia recebiam placas comemorativas das mãos do governador Paulo Câmara e do prefeito Renildo Calheiros.

“Eu nunca tinha sido homenageado na vida. Foi uma grande surpresa que me fizeram e eu fiquei tremendo quando soube”, disse Nivaldo Martiniano dos Santos, mais conhecido como “porquinho” por presidir a troça A Porca de Olinda desde 1985. Também carregou, durante 23 anos, o boneco do Menino da Tarde e o do Homem da Meia Noite por mais seis, duas figuras emblemáticas do Carnaval olindense. “Vou tomar ‘uma’ quando sair daqui para comemorar”, revelou, animado.

Além de porquinho, foram homenageados o Maracatu Nação Pernambuco, o escritor Ariano Suassuna (falecido no ano passado), Claudionor Germano, o maestro Duda, a banda Som da Terra, o bloco Trinca de Ás e o clube A burra do Rosário.

Também houve homenagem a Ariano Suassuna no Fortim do Queijo. A banda Bonsucesso Samba Clube apresentou numa versão “meio tango” da música Madeira que cupim não rói, de Capiba, uma das preferidas do escritor. “Os clássicos não têm ideologia nem partido”, pregou o vocalista Rogerman, entre o hino de Capiba e a contagiante Energia, de Lula Queiroga, que levantou o público.

A mistura de ritmos da banda – meio samba, meio rock, meio latino – agradou a moçada. “Estou adorando essa apresentação”, disse a estudante de geografia Andressa Lira. Embora o público não fosse muito numeroso no início da noite, a atenção ao palco era total. “Agora tem pouca gente porque muitas pessoas ainda não saíram do trabalho”, comentou.

Pelo terceiro ano consecutivo na folia da Marim dos Caetés, o casal Jaime e Tatiana Amaral, de Belo Horizonte (MG) se desmanchou em elogios à cidade. “Aqui é todo mundo na rua, sem segregação. E há muitos ritmos diferentes para curtir: frevo, maracatu, manguebeat”, disse Jaime. “Subir ladeiras de dia em Olinda e desfrutar do Recife à noite é fantástico. Vamos ficar até quinta-feira.”

À medida que a noite foi avançando, o espaço reduzido do Fortim foi ficando cada vez mais lotado. Depois da banda Bonsucesso Samba Clube, apresentou-se o Maracatu Nação Pernambuco. O cantor Alceu Valença se apresenta nesta noite. Para encerrar com chave de ouro, sobe ao palco ainda nesta quinta-feira uma dose dupla: Claudionor e Nonô Germano.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias