CRISE PRISIONAL

Secretário de Administração Penitenciária do Amazonas pede demissão

O ex-secretario, Pedro Florêncio Filho, disse que estava cansado e frustrado com o fracasso de seu projeto de humanização dos presídios

Estadão Conteúdo Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 13/01/2017 às 13:42
Foto: Reprodução/Umanizzare
O ex-secretario, Pedro Florêncio Filho, disse que estava cansado e frustrado com o fracasso de seu projeto de humanização dos presídios - FOTO: Foto: Reprodução/Umanizzare
Leitura:

O secretário de Administração Penitenciaria do Estado do Amazonas, Pedro Florêncio Filho, pediu exoneração do cargo na manhã desta sexta-feira (13) informou o governo estadual. Quem assume a pasta é o tenente coronel Cleitman Rabelo Coelho, comandante do Policiamento Especializado (CPE).

O documento com a exoneração de Florêncio Filho e a nomeação do novo secretário foi assinado pelo governador José Melo (PROS), nas primeiras horas da manhã desta sexta. 

Em entrevista a uma rádio local, o ex-titular da secretaria disse que estava cansado e frustrado com o fracasso de seu projeto de humanização dos presídio. Florêncio Filho assumiu a pasta em setembro de 2015, logo após o então secretário Louismar Bonates pedir exoneração do cargo.

Massacre

Um sangrento confronto entre facções no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, deixou 56 mortos entre a tarde de 1º de janeiro e a manhã do dia 2. A rebelião, que durou 17 horas, acabou com detentos esquartejados e decapitados no segundo maior massacre registrado em presídios no Brasil - em 1992, 111 morreram no Carandiru, em São Paulo. 

Treze funcionários e 70 presos foram feitos reféns e 184 homens conseguiram fugir. Outros quatro presos foram mortos no Instituto Penal Antonio Trindade (Ipat), também em Manaus. Segundo o governo do Amazonas, o ataque foi coordenado pela facção Família do Norte (FDN) para eliminar integrantes do grupo rival, o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Últimas notícias