Normas

Amigo de Bolsonaro indicado na Petrobrás fere critérios da estatal

Presidente indicou o capitão-tenente da reserva da Marinha Carlos Victor Nagem para a gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa

Thiago Wagner Thiago Wagner
Thiago Wagner
Thiago Wagner
Publicado em 11/01/2019 às 20:23
AFP
Presidente indicou o capitão-tenente da reserva da Marinha Carlos Victor Nagem para a gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa - FOTO: AFP
Leitura:

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) denunciou nesta sexta-feira, 11, que a indicação do capitão-tenente da reserva da Marinha e funcionário da Petrobras há anos, Carlo Victor Guerra Nagem, amigo do presidente Jair Bolsonaro, para a gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa fere o Plano de Cargos e Remuneração (PCR) da estatal.

Segundo os critérios da petroleira, a vaga requer pelo menos 10 anos de experiência gerencial na área em empresa de grande porte nacional ou internacional, o que não seria o caso de Nagem. A gerência para a qual foi indicado é responsável por toda a segurança própria e contratada da Petrobras, respondendo por centenas de contratos em todo o País. Segundo a federação, Bolsonaro nomeou um profissional pleno para um cargo sênior, triplicando o seu salário, que passa a girar em torno dos R$ 50 mil.

"Após promover o filho do vice Mourão no Banco do Brasil, Jair Bolsonaro gera nova indignação ao interferir a favor da indicação de um 'amigo particular' para ocupar a Gerência Executiva de Inteligência e Segurança Corporativa da Petrobras", disse a FUP em nota, lembrando que Nagem disputou cargos legislativos pelo Partido Social Cristão (PSC), com apoio do presidente eleito, mas foi derrotado.

Em sua conta oficial do Twitter, Bolsonaro defendeu nesta sexta-feira a indicação de Nagem, alegando que o amigo tem um currículo com várias atribuições externas que o qualificam para o cargo. Mais tarde, o presidente anunciou também pelo Twitter a indicação de outro militar para a Petrobras, o tenente da reserva Marcelo Dias, que poderá ocupar a gerência de inteligência da petroleira.

Bolsonaro usa Twitter para indicar outro militar para gerência da Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para anunciar mais um nome militar para a Petrobras. Após a polêmica com a indicação do amigo do presidente e capitão-tenente da reserva da Marinha Carlos Victor Guerra Nagem, agora Bolsonaro anunciou o tenente da reserva Marcelo Dias para a gerência de inteligência da petroleira.

Pelo Twitter, Bolsonaro disse que Dias é concursado e "foi retirado por Miki dessa mesma função em 2018". Regina Miki ocupava o posto que será de Nagem e foi classificada como "petista" pelo presidente da República que publicou uma foto em que a ex-funcionária estaria com um grupo de pessoas segurando cartazes da campanha eleitoral de Dilma Rousseff.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias