Melhorar a dignidade

Padre Caetano segue os passos iniciados por Irmã Dulce

Atualmente na Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Santo Amaro, sacerdote desenvolve trabalhos sociais há duas décadas na comunidade

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 12/10/2019 às 6:13
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
FOTO: Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Vinte anos atrás, em 1999, padre Francisco Caetano Pereira foi nomeado vigário cooperador da Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e se deparou com umas 40 pessoas largadas na frente do prédio. “Era um espetáculo humilhante, resolvi ajudar de alguma forma e comecei a entregar uma cesta básica semanal”, recorda o religioso. Nesse mesmo ano, depois de seis meses em Boa Viagem, padre Caetano é transferido para a Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Santo Amaro.

E é nesse bairro, na área central da cidade, que o padre desenvolve trabalhos sociais há duas décadas. “Minha primeira providência em Santo Amaro foi identificar áreas carentes da paróquia e encontrei a Rua Astronauta Collins. Os moradores não tinham sanitário em casa, faziam as necessidades em sacos e jogavam na calçada de um galpão na mesma rua”, relata o sacerdote. Ele cadastrou as famílias (quantos são, fonte de renda, no que trabalham), acompanha todas de perto e entrega a cada uma delas uma cesta básica mensal.

Uma família em especial chamou a atenção do padre, que é professor do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Católica de Pernambuco. “Eram 18 pessoas amontoadas em palafitas sobre o esgoto, aquilo me chocava. Com apoio de alunos do curso de direito da Unicap conseguimos construir duas casas decentes para elas, uma com 20 metros quadrados e outra com 30 m²”, diz.

“O lugar era tão precário que os moradores costumavam dizer que viviam na Rua da Merda, com o perdão da palavra. Conversei com eles e passei chamar de Rua do Mel”, recorda padre Caetano. Hoje, os dejetos são canalizados para caixas coletoras na calçada. Pela paróquia, todos têm assistência médica e odontológica, recebem medicamentos e, quando necessário, são encaminhados a Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Foto: Leo Motta/JC Imagem
Padre Caetano presta assistência a moradores da Rua Astronauta Collins há 20 anos - Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Rua Astronauta Collins em Santo Amaro, na área central do Recife - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Agora está tudo civilizado, comenta Adelmo Souto Maior, morador da Rua Astronauta Collins - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Rua Astronauta Collins em Santo Amaro, na área central do Recife - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
A cesta básica ajuda muito, afirma Helena da Silva Amara, moradora da Rua Astronauta Collins - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Rua Astronauta Collins em Santo Amaro, na área central do Recife - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Padre Caetano é um pai, diz Francisco Vicente de Santana, morador da Rua Astronauta Collins - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

 

Quatro médicos – ginecologista, pediatra e clínico geral – prestam serviços de forma espontânea, diz padre Caetano, 70 anos. O cadastro das famílias é renovado de seis em seis meses. Já as refeições e os banhos oferecidos pelo sacerdote a moradores de rua seguem outra rotina. “Não sei a origem, não pergunto de onde vem nem para onde vão, eles até podem ter casa, mas não têm o que comer”, afirma o sacerdote.

No início, ele distribuía sopa no jardim da igreja em garrafas PET que as pessoas traziam. “Percebi que os recipientes eram muito sujos e abri um espaço que chamamos de La maison de la piété (A casa da piedade). Eles são servidos à mesa, porque é importante resgatar a dignidade dos seres humanos. A humilhação é dor mais continuada que a fome”, ressalta.

A maison funciona num imóvel da igreja, a poucos metros do templo religioso. “Temos mesas, cadeiras, dois fogões industriais, freezer, geladeira e bebedouro de água com filtro”, informa. O espaço abre todos os dias a partir das 15h30 para banhos e as refeições, gratuitas, são servidas das 16h30 até as 18h.

A quantidade varia de 100 a 130 pratos por dia. Aos domingos, segundas, terças, quintas a comida é preparada na maison. No sábado, uma família doa a refeição; na quarta-feira os restaurantes Tempero da Mamãe e Galo Padeiro garantem a sopa; e na sexta-feira a alimentação é fornecida pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC). As empresas funcionam no bairro de Santo Amaro. A paróquia aceita doações de alimentos, roupas (em especial masculina), calçados e produtos de higiene pessoal.

Onde fazer as doações

Paróquia Nossa Senhora da Piedade
Rua Capitão Lima, 211, Santo Amaro
Fone: (081) 3222-7451

 

Veja vídeo da TV Jornal

Últimas notícias