Tiroteio

Ataque a escola judaica na França deixa quatro mortos

Uma das armas era do mesmo calibre da utilizada utilizada no assassinato de dois soldados de um regimento de paraquedistas em Toulouse e Montauban

Milton Raulino
Milton Raulino
Publicado em 19/03/2012 às 8:22
Foto: Eric Canabis / AFP
Uma das armas era do mesmo calibre da utilizada utilizada no assassinato de dois soldados de um regimento de paraquedistas em Toulouse e Montauban - FOTO: Foto: Eric Canabis / AFP
Leitura:

Quatros pessoas, incluindo três crianças, foram assassinadas a tiros nesta segunda-feira em uma escola judaica em Toulouse, sul da França, por um homem em uma moto, provavelmente o mesmo atirador que matou três militares franceses na semana passada na mesma região.

O crime comoveu a França em plena campanha eleitoral. "É uma tragédia espantosa. Toda a República Francesa está afetada por este drama abominável", afirmou o presidente francês Nicolas Sarkozy, que viajou imediatamente a Toulouse.

As vítimas são três crianças, de três, seis e 10 anos, e um homem de 30 anos, anunciou o procurador da República Michel Valet. Testemunhas afirmaram que o criminoso abriu fogo contra um grupo de pais e crianças diante do colégio judaico Ozar Hatorah, que fica em um bairro residencial de Toulouse, antes fugir em uma moto.

"Ele atirou contra tudo o que tinha pela frente, crianças e adultos. As crianças foram perseguidas até dentro da da escola", declarou o procurador à imprensa.

A forma de operar do assassino recorda a utilizada por um homem que na semana passada matou três militares e feriu gravemente outro na mesma região. O atirador também circulava de moto.

O criminoso utilizou duas armas, uma delas do mesmo calibre da usada no assassinato de soldados de um regimento de paraquedistas em Toulouse e Montauban. Segundo o procurador, "existem elementos que justificam que se imagine seriamente a questão de um vínculo entre esta matança e os recentes assassinatos de militares".

A tragédia abalou a campanha presidencial francesa, que terá o primeiro turno em 22 de abril, e que nesta segunda-feira (19) começava de maneira oficial.

Além de Sarkozy, que chegou a Toulouse acompanhado do presidente do Conselho Representativo das Instituições Judaicas da França (CRIF), Richard Prasquier, o candidato socialista, François Hollande, também anunciou a suspensão momentânea da campanha para manifestar solidariedade às famílias das vítimas e à comunidade judaica da França.

O ministério do Interior anunciou um reforço da vigilância das escolas judaicas, que já contam com medidas de proteção na França. Patrick Rouimi, pai de um aluno, afirmou que o homem abriu fogo contra as pessoas que aguardavam em um ponto de transporte escolar.

A rua Dalou, onde fica o centro de ensino, foi isolada e centenas de policiais foram mobilizados ao redor do colégio. Na quinta-feira passada (14), um homem em uma moto preta matou a sangue frio dois soldados de um regimento de paraquedistas da cidade de Montauban e feriu gravemente outro.

A justiça francesa vinculou imediatamente as mortes de Montauban com o assassinato de outro militar cometido no domingo 11 de março em Toulouse. Nos dois ataques a mesma arma foi utilizada.

Mais de 50 investigadores foram mobilizados para encontrar o autor dos crimes. "Uma explicação? Trata-se de um antissemitismo brutal e abjeto", afirmou o dr. Charles Bensemhoun, morador de Toulouse. "Agora atiram contra crianças", completou uma mulher que estava a seu lado.

O governo de Israel afirmou estar "horrorizado". "Estamos horrorizados com este ataque. Confiamos que as autoridades francesas farão tudo para investigar o drama e levarão os responsáveis pelos assassinatos à justiça", declarou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Yigal Palmor.

O grande rabino da França, Gilles Bernheim, afirmou que estava "terrivelmente comovido" e que viajaria a Toulouse. O presidente da Comissão Europeia (CE), José Manuel Barroso, condenou "o crime odioso (...) Não há nada mais intolerável que o assassinato de crianças inocentes".

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias