Europa

Tribunal russo decide manter integrante de Pussy Riot na prisão

Maria Alekhina está presa há um ano por ter pedido a renúncia de Putin em uma oração punk na catedral de Moscou

Da AFP
Da AFP
Publicado em 24/07/2013 às 10:48
Foto: NATALIA KOLESNIKOVA / AFP
Maria Alekhina está presa há um ano por ter pedido a renúncia de Putin em uma oração punk na catedral de Moscou - FOTO: Foto: NATALIA KOLESNIKOVA / AFP
Leitura:

Um tribunal russo rejeitou nesta quarta-feira (24) o novo pedido de libertação antecipada de Maria Alekhina, uma das duas jovens integrantes do grupo opositor Pussy Riot presas há um ano por terem cantado uma "oração punk" anti-Putin na catedral de Moscou.

O tribunal de Perm, nos Urais, rejeitou a apelação apresentada por Alekhina contra a decisão de outro tribunal, que em maio se pronunciou contra a libertação antecipada, indicou a agência Ria Novosti.

Mais de 100 músicos de todo o mundo, entre eles Madonna, Adele, Elton John e Bryan Adams, lançaram na segunda-feira (22) uma campanha pedindo sua libertação e a de Nadezhda Tolokonikova, de 23 anos, a outra integrante do grupo detida.

Alekhina cumpre sua pena em uma colônia penitenciária de Berezniki, nos Urais, e Tolokonikova está presa na Mordóvia, uma região situada 640 km a leste de Moscou.

Ambas foram detidas em fevereiro de 2012 depois de terem cantado uma oração punk na catedral de Moscou na qual pediam a renúncia de Putin.

Em agosto foram condenadas a dois anos de campo de reclusão por "hooliganismo" e "incitação ao ódio religioso".

Outra jovem, Ekaterina Samusevich, que também havia sido detida na catedral e condenada, foi colocada em liberdade condicional em outubro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias