Nobel

Francês Jean Tirole vence o Nobel de Economia

Jean Tirole contribuiu para a maneira de compreender e de regular as indústrias com algumas empresas importantes

Da AFP
Da AFP
Publicado em 13/10/2014 às 9:28
Foto: AFP
Jean Tirole contribuiu para a maneira de compreender e de regular as indústrias com algumas empresas importantes - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Atualizada ás 10h51

O economista francês Jean Tirole é o vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 2014 por suas diversas pesquisas sobre finanças, empresas, regulação e os mercados.

Ele foi premiado por sua "análise do poder do mercado e da regulação", anunciou em Estocolmo o júri em um comunicado.

Tirole, 61 anos, é pesquisador na Universidade de Toulouse (sul da França) desde os anos 1990, após uma passagem pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) dos Estados Unidos.

Jean Tirole é o terceiro francês a receber o Nobel de Economia, depois de Gérard Debreu em 1983 e Maurice Allais em 1988. Ele já era mencionado como um dos favoritos ao Nobel há alguns anos.

"Muitas indústrias estão controladas por um pequeno número de grandes empresas ou por um monopólio. Tais mercados podem gerar resultados indesejáveis, como preços mais elevados dos que justificam os custos ou empresas empresas improdutivas que sobrevivem para impedir a chegada de empresas novas e mais produtivas empresas", explicou o júri, para ilustrar a importância das regulações nas economias nacionais, objeto dos estudos de Tirole.

O Comitê Nobel apresentou Tirole como "um dos economistas mais influentes de nossa época", autor de importantes contribuições teóricas".

"A melhor regulação ou política em termos de concorrência deve ser cuidadosamente adaptada às condições específicas de cada setor. Em uma série de artigos e livros, Jean Tirole tem apresentado um marco geral para conceber tais políticas e a aplica a uma série de setores, que vão das telecomunicações ao bancário", resume a Real Academia de Ciências.

"Inspirados por estas novas perspectivas, os governos podem estimular de uma maneira melhor as grandes empresas a ser mais produtivas e, ao mesmo tempo, impedir que prejudiquem os concorrentes ou os consumidores", completa a nota da Academia.

"Muito obrigado. Me sinto muito honrado", afirmou Tirole.

Em uma entrevista por telefone à AFP, ele disse que o prêmio era "uma grande surpresa" e que estava muito feliz".

"Você não é um juiz muito bom dos próprios trabalhos, então não é algo que eu esperava", disse Tirole.

Matemática e depois Economia

Nascido em Troyes (nordeste da França), filho de um médico e de uma professora de Letras, Tirole estudou primeiro Matemática, integrou a Escola Politécnica e descobriu tardiamente a Economia, aos 21 anos.

Depois de se formar em Engenharia, optou por fazer um doutorado em Economia nos Estados Unidos, no MIT.

Tirole chegou a Toulouse em 1991, onde foi um dos fundadores do Instituto de Economia Industrial, que seria o berço do que hoje é chamado de "Escola de Toulouse" de Economia.

O prêmio ilustra o bom momento da pesquisa econômica na França. Em agosto, a revista mensal do Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou que sete franceses estavam entre os 25 economistas de 45 anos mais promissores do planeta.

O Nobel de Economia, oficialmente chamado "prêmio do Banco da Suécia de ciências econômicas em memória de Alfred Nobel", é o único não previsto no testamento do inventor sueco da dinamite.

O prêmio foi criado em 1968 pelo Banco Central da Suécia e entregue pela primeira vez em 1969.

Os demais prêmios Nobel (Medicina, Física, Química, Literatura e Paz) foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Tirole receberá o prêmio de 8 milhões de coroas (878.000 euros) no dia 10 de dezembro em Estocolmo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias