Oceanos

Japão promete reduzir cota de pesca de baleias na Antártica

Japoneses querem retomar a atividade no oceano antártico no próximo ano, apesar da proibição da instância jurídica mais importante da ONU

Da AFP
Da AFP
Publicado em 18/11/2014 às 12:14
Foto: INSTITUTE OF CETACEAN RESEARCH / THE INSTITUTE OF CETACEAN RESEAR / AFP
Japoneses querem retomar a atividade no oceano antártico no próximo ano, apesar da proibição da instância jurídica mais importante da ONU - FOTO: Foto: INSTITUTE OF CETACEAN RESEARCH / THE INSTITUTE OF CETACEAN RESEAR / AFP
Leitura:

O Japão prometeu nesta terça-feira reduzir em dois terços a meta de pesca de baleias na Antártica, para convencer a comunidade internacional a autorizar a retomada da caça de cetáceos com fins científicos.

Os japoneses querem retomar a atividade no oceano antártico no próximo ano, apesar da proibição da instância jurídica mais importante da ONU.

Os nipônicos foram obrigados a renunciar na próxima temporada (2014-2015) à caça das baleias na região, depois de uma resolução da Corte Internacional de Justiça que, ante o pedido da Austrália, considerou que o Japão desviava por motivos comerciais uma atividade que apresentava como se fosse destinada à pesquisa científica.

Mas, como temiam as organizações ecologistas, as autoridades nipônicas esperam driblar a decisão com a tentativa de apresentar a polêmica missão com um aspecto mais científico, para recomeçar em 2015-2016.

Em seu novo plano apresentado à Comissão Baleeira Internacional e a seu comitê científico, o Japão fixa como objetivo anual 333 pequenas baleias, contra as quase 900 do programa anterior programa.

"Nós explicaremos o novo plano de forma precisa para obter o consentimento dos outros países", declarou o ministro da Agricultura, Florestas e Pesca, Koya Nishikawa.

O grupo ecologista Greenpeace reagiu de maneira imediata.

"Todos sabem no Japão e no resto do mundo que o objetivo principal da caça nipônica de cetáceos não é a pesquisa científica, e sim um respaldo público à indústria baleeira", afirma em um comunicado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias