Reaproximação

Morte de Chávez foi decisiva para reaproximação entre EUA e Cuba, afirma diplomata

Países encerraram longo período de embargos econômicos e conflitos políticos em um acordo histórico

Da AFP
Da AFP
Publicado em 19/12/2014 às 12:24
Foto: CUBAN TV / POOL / AFP
Países encerraram longo período de embargos econômicos e conflitos políticos em um acordo histórico - FOTO: Foto: CUBAN TV / POOL / AFP
Leitura:

A morte do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez foi decisiva para convencer os irmãos Castro da necessidade de uma reaproximação com os Estados Unidos, segundo Przemyslaw Hauser, ex-representante da Ordem de Malta em Havana.

"O momento crucial foi a morte de Hugo Chávez, no ano passado. Ficou claro que a Venezuela não ia financiar eternamente Cuba com a entrega de petróleo de graça, e que era preciso evitar uma grande crise econômica através de uma cooperação mais estreita com os Estados Unidos", declarou Hauser em uma entrevista divulgada nesta sexta-feira pelo jornal polonês Rzeczpospolita.

Esse empresário polonês lembrou os esforços do Vaticano pela abertura do regime de Fidel Castro depois da visita a Cuba do papa João Paulo II, em 1998. 

"Depois disso, a atividade da diplomacia vaticana foi enorme, principalmente a do núncio apostólico em Cuba depois de 2007, Giovanni Angelo Becciu, que se tornou mais tarde secretário de Estado adjunto da Santa Sé", declarou Hauser que afirma ter participado das negociações.

Przemyslaw Hauser atuou como diplomata da Ordem de Malta em Havana de 2007 a 2011. 

A Ordem de Malta (Ordem Soberana Militar Hospitalar de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta), que tem origens no século XI, reivindica o título de mais antiga organização humanitária do mundo. Ligada ao Vaticano, seus representantes recebem o título de embaixadores e são considerados membros do corpo diplomático em alguns países.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias