Reaproximação

OEA manifesta apoio a uma completa normalização entre Cuba e EUA

A proposta de incluir um parágrafo sobre o fim do embargo provocou uma grande discussão sobre os procedimentos de reaproximação

Danilo Galindo
Danilo Galindo
Publicado em 23/12/2014 às 8:29
Foto: CUBAN TV / POOL / AFP
A proposta de incluir um parágrafo sobre o fim do embargo provocou uma grande discussão sobre os procedimentos de reaproximação - Foto: CUBAN TV / POOL / AFP
Leitura:

A Organização dos Estados Americanos (OEA) expressou na segunda-feira (22) em uma declaração a "profunda satisfação" com a intenção de Estados Unidos e Cuba de acabar com meio século de confronto e pediu um processo que resulte em uma "completa" normalização das relações bilaterais.

Na declaração, o Conselho Permanente da OEA manifesta "apoio à implementação de medidas que conduzam a uma completa normalização das relações bilaterais". Ao mesmo tempo, reiterou o "compromisso das Américas com o diálogo entre Estados soberanos".

Em uma reunião que teve diversas interrupções e durou quase 10 horas, o Conselho Permanente aprovou por aclamação a declaração, mas votou nominalmente por não incluir um parágrafo especial no qual pedia o fim do embargo econômico e comercial aprovado por Washington contra Havana em 1962.

O documento base da declaração havia circulado entre os diplomatas, mas a proposta, de incluir um parágrafo sobre o fim do embargo provocou uma grande discussão sobre os procedimentos.

Em uma organização que tenta construir consensos, a OEA submeteu a questão ao voto: Nicarágua, Venezuela, Bolívia, Equador e El Salvador votaram a favor do parágrafo, os Estados Unidos votaram contra e os demais países optaram pela abstenção. Assim, o polêmico parágrafo foi eliminado.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias