CASO NISMAN

Corpo carbonizado é achado perto de apartamento do promotor Nisman

Apesar da proximidade com a moradia de Nisman, a princípio não há relação com o caso, ocorrido em janeiro deste ano

Folhapress
Folhapress
Publicado em 16/02/2015 às 12:49
Leitura:

Um corpo carbonizado foi encontrado na madrugada desta segunda-feira (16) a poucos metros do edifício onde vivia o promotor Alberto Nisman, em Buenos Aires.

Apesar do estranho do fato, não se acredita que haja relação com o caso Nisman. O promotor, que preparava uma acusação contra a presidente Cristina Kirchner, foi encontrado morto em seu apartamento no dia 18 de janeiro, em circunstâncias ainda não esclarecidas.

O promotor Nisman acusava a presidente e vários dirigentes governistas de terem orquestrado um plano para encobrir os iranianos suspeitos de atacarem uma associação judaica na Argentina, em 1994.

Um vizinho achou o cadáver carbonizado em frente as torres Le Parc, no bairro de Puerto Madero, e chamou a polícia, que investiga as circunstâncias da morte.

O corpo estava ao lado de uma subestação elétrica. A polícia não informou se a vítima é um homem ou uma mulher.

"Recebemos um pedido de auxílio às 2h40 para socorrer um eletrocutado na via pública. Uma ambulância foi até o local. Quando chegamos, encontramos um corpo carbonizado, irreconhecível", explicou o diretor do serviço de atendimento médico, Alberto Crescenti, a rádio Continental.

Junto do cadáver a polícia encontrou um galão de gasolina e uma garrafa de álcool etílico, apontaram fontes da investigação à agência oficial Télam.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias