Abu Dabi

Solar Impulse realiza novo teste para dar a volta ao mundo

Se tudo ocorrer como previsto, a nave partirá no sábado da capital dos Emirados Árabes Unidos para percorrer 35.000 km a uma velocidade relativamente lenta

Da AFP
Da AFP
Publicado em 02/03/2015 às 10:53
Foto: AFP
Se tudo ocorrer como previsto, a nave partirá no sábado da capital dos Emirados Árabes Unidos para percorrer 35.000 km a uma velocidade relativamente lenta - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O avião Solar Impulse 2, que funciona exclusivamente com energia solar, realizou nesta segunda-feira um novo voo teste em Abu Dabi, antes de empreender uma inédita volta ao mundo no próximo sábado, se as condições climáticas permitirem.

O aparelho revolucionário decolou às 06H30 do pequeno aeroporto de Al Bateen, e voltou uma hora mais tarde sem apresentar problemas. Trata-se do terceiro voo teste do Solar Impulse 2 em Abu Dabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, e o primeiro do suíço Bertrand Piccard, um dos pais do projeto, nesta cidade do Golfo.

Com a nova façanha, os cofundadores suíços do projeto, Piccard e André Borschberg, querem demonstrar que as tecnologias limpas e as energias renováveis permitem conseguir coisas consideradas até agora impossíveis.

Se tudo ocorrer como previsto, a nave partirá no sábado da capital dos Emirados Árabes Unidos para percorrer 35.000 km a uma velocidade relativamente lenta (entre 50 e 100 km/h).

Sua volta ao mundo durará cinco meses, com 25 dias de voo efetivos, segundo os dois suíços, cofundadores e pilotos do avião. A aeronave, coberta com 17.000 células solares que alimentam seus quatro motores elétricos de hélice, será o primeiro a cruzar oceanos e continentes com a ajuda do sol.

O Solar Impulse 2, que voará a até 8.500 metros de altitude, se dirigirá primeiro a Omã e às cidades indianas de Ahmedabad e Varanasi. Depois irá a Mandalay, em Mianmar, Chongqing e Nanquim, na China, antes de cruzar o Pacífico com uma escala no arquipélago americano do Havaí.

Piccard e Borschberg irão parar posteriormente em Phoenix e Nova York, de onde partirão ao sul da Europa ou ao norte da África, última escala antes do retorno a Abu Dhabi, no fim de julho ou início de agosto.

"Queremos demonstrar que agora as tecnologias limpas e as energias renováveis permitem alcançar coisas consideradas impossíveis. E o que fazemos voando todos podem fazer na terra, em sua vida diária, com o objetivo de economizar os recursos naturais do nosso planeta", declarou Piccard ao apresentar o projeto em uma coletiva de imprensa organizada por Masdar, a companhia de energia renovável de Abu Dhabi. Este emirado petrolífero investe maciçamente no setor das energias limpas há alguns anos.

"Embora hoje não possamos fazer com que todos os aviões comerciais voem com energia solar, estou plenamente convencido de que o mundo pode diminuir pela metade seu consumo energético com as tecnologias utilizadas no Solar Impulse", acrescentou.

A cabine de 3,8 m3 foi projetada para acolher apenas um piloto e não ter ar-condicionado ou calefação. Dispõe, no entanto, de um vaso sanitário.

Condições que, segundo André Borschberg, o outro pai do projeto, tornam o voo um desafio mais humano que técnico.

"O Si2 deve conseguir o que nenhum outro avião conseguiu na história: voar sem combustível, com apenas um piloto em uma cabine despressurizada por cinco dias e noites consecutivos (em sua etapa mais longa)", indicou o suíço.

"Temos, portanto, um avião muito duradouro quanto ao consumo, mas agora a questão é saber como podemos fazer com que o piloto seja duradouro. A incógnita é humana", explicou na ocasião.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias