Relações Exteriores

Israel divulga vídeo comparando Irã ao Estado Islâmico

Netanyahu, que dirige um dos governos mais conservadores de Israel dos últimos anos, comparou em várias ocasiões o EI com o Irã e também com o movimento palestino Hamas

Da AFP
Da AFP
Publicado em 01/07/2015 às 9:00
Foto: WELAYAT HOMS / AFP
Netanyahu, que dirige um dos governos mais conservadores de Israel dos últimos anos, comparou em várias ocasiões o EI com o Irã e também com o movimento palestino Hamas - FOTO: Foto: WELAYAT HOMS / AFP
Leitura:

O governo de Israel, totalmente contrário a um acordo com o Irã sobre seu programa nuclear, divulgou um vídeo de animação no qual compara o Irã ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

"O Estado Islâmico do Irã, assim como o Estado Islâmico, mas maior", afirma a frase final deste vídeo publicado através da conta no Twitter do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

O curta-metragem de 27 segundos foi publicado na terça-feira, dia em que, a princípio, terminavam as negociações entre o Irã e os países do 5+1 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, China, França e Alemanha) sobre o programa nuclear iraniano. Finalmente, as discussões foram prorrogadas até 7 de julho.

"O Estado Islâmico se expande pelo Oriente Médio e mata tudo aquilo que não se parece com ele (...) Imaginem se o Estado Islâmico desenvolvesse bombas atômicas. Talvez não seja tão difícil de imaginar", explica uma voz em off enquanto vários jihadistas se transformam em mulás iranianos.

Netanyahu, que dirige um dos governos mais conservadores de Israel dos últimos anos, comparou em várias ocasiões o EI com o Irã e também com o movimento palestino Hamas.

"Por que querem dar ao Estado Islâmico do Irã, que tem muito mais capacidade de ataque que o Estado Islâmico, uma arma suplementar, a nuclear?", disse Netanyahu na terça-feira. Israel, considerada a única potência nuclear do Oriente Médio, não assinou o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias