terrorismo

Digitais de terrorista ligado aos ataques de Paris são encontradas em Bruxelas

Um homem foi morto a tiros por um franco-atirador da polícia enquanto ele se preparava para atirar contra os policiais de uma janela

Do Estadão Conteúdo
Do Estadão Conteúdo
Publicado em 18/03/2016 às 14:55
Foto: LIONEL BONAVENTURE/AFP
Um homem foi morto a tiros por um franco-atirador da polícia enquanto ele se preparava para atirar contra os policiais de uma janela - FOTO: Foto: LIONEL BONAVENTURE/AFP
Leitura:

Investigadores encontraram as impressões digitais de Salah Abdeslam, suspeito de participar dos ataques em Paris em novembro do ano passado, em um apartamento no subúrbio de Bruxelas, capital da Bélgica, disse um promotor belga nesta sexta-feira. O imóvel foi invadido pela polícia belga na última terça-feira.

Durante a invasão em um apartamento na zona popular no bairro de Forest, duas pessoas escaparam, mas o procurador federal Eric Van der SYPT disse que ainda não se sabe se Salah Abdeslam, de 26 anos, era um deles. Assim que a porta foi aberta, duas pessoas armadas atiraram contra os policiais, de acordo com o procurador. As pessoas estavam armadas com uma escopeta e uma kalashnikov.

Os policiais suspeitam que Abdeslam tenha usado a casa como esconderijo após os atentados que deixaram 130 mortos e centenas de feridos no dia 13 de novembro, em Paris. A polícia suspeita também que ele estava dirigindo o carro que deixou três homens-bomba perto do Stade de France, em Saint Denis, um dos lugares atacados pelos terroristas. 

Na invão de terça-feira, a polícia encontrou uma bandeira do grupo extremista Estado Islâmico, 11 carregadores Kalashnikov e uma grande quantidade de munição, disse o promotor.

Um homem foi morto a tiros por um franco-atirador da polícia enquanto ele se preparava para atirar contra os policiais de uma janela. A polícia o identificou como Mohamed Belkaid, de 35 anos, um argelino que vivia ilegalmente na Bélgica. Um rifle Kalashnikov foi encontrado com ele, bem como um livro sobre Salafismo, um lado ultraconservador do Islã. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias