GESTÃO

Argentinos mostram preocupação com inflação e desemprego mas aprovam gestão de Macri

Após ganhar a eleição presidencial com 51%, o líder da aliança de centro-direita Cambiemos apresenta 69% de aprovação

Da AFP
Da AFP
Publicado em 19/03/2016 às 14:56
Foto: Fotos Públicas
Após ganhar a eleição presidencial com 51%, o líder da aliança de centro-direita Cambiemos apresenta 69% de aprovação - FOTO: Foto: Fotos Públicas
Leitura:

A inflação, a insegurança e o desemprego estão no topo das preocupações dos argentinos após 100 dias de governo do presidente Mauricio Macri, que mantém alta a aprovação de sua gestão, de acordo com pesquisas de opinião divulgadas neste sábado (19).

Após ganhar a eleição presidencial com 51%, o líder da aliança de centro-direita Cambiemos obtém 69% de aprovação de sua gestão, com uma margem positiva de 62%, segundo a consultora Poliarquía, apesar de que 43% dos argentinos classificam a situação atual de regular, e 30%, de negativa.

A resolução do longo litígio pela dívida com os fundos 'abutres' nos Estados Unidos, impulsionada pelo governo, e que está sendo debatida no Congresso, é aprovada por 65,2% dos argentinos, de acordo com outra pesquisa da consultoria Management & Fit (M&F).

"Até agora, para uma maioria significativa de argentinos, o governo tem um crédito aberto, embora tenham receio: preocupam-se com que a inflação não ceda, que a economia não se reative e que as mudanças não aconteçam", defendeu Alejandro Catterberg, diretor de Poliarquía, ao diário La Nación.

A inflação superou 8% no primeiro bimestre e parece mais descontrolada do que nos últimos anos.

O governo prometeu freá-la, e espera fechar 2016 com uma inflação de entre 20% e 25%, mas consultoras privadas preveem que será difícil e que a mesma superaria 30%.

Segundo a Poliarquía, entre cerca de mil pessoas entrevistadas, 21% responderam que o problema que mais as afeta pessoalmente é a inflação.

Depois, aparecem como preocupações a insegurança (20%), o desemprego (14%) e os problemas econômicos (14%). A corrupção só foi citada por 3%, e não houve menção ao narcotráfico, apesar de este ter sido um dos eixos da campanha de Macri.

A M&F mostrou resultados similares, ao responderem 31,9% de cerca de 2.000 entrevistados que o principal problema é a inflação, seguido da insegurança (19%) e do desemprego (15,3%). Depois, estão a corrupção (15,3%), o aumento dos impostos (9,6%) e o narcotráfico (4,5%).

Segundo esta consultoria, 16,6% consideram que o acordo com os holdouts é a melhor medida econômica tomada pelo governo, e 16,3% comemoraram a eliminação do controle cambial, que estava vigente desde 2011, uma das primeiras medidas tomadas por Macri sobre a desvalorização de 30% do peso.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias