Síria

Bombardeios contra mercado na Síria matam 21 civis

Entre os mortos estavam cinco crianças. Em maio, ataques na cidade deixaram ao menos 23 civis mortos

AFP
AFP
Publicado em 12/06/2016 às 13:44
Foto: TAMER AL-HALABI / AFP
Entre os mortos estavam cinco crianças. Em maio, ataques na cidade deixaram ao menos 23 civis mortos - FOTO: Foto: TAMER AL-HALABI / AFP
Leitura:

Ao menos 21 civis, entre eles cinco crianças, morreram neste domingo em bombardeios aéreos contra um mercado popular na localidade de Idleb, noroeste da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

"Aviões militares realizaram um massacre ao matar ao menos 21 civis, entre eles cinco crianças, em um mercado popular de Idleb", capital da província homônima "nas mãos do braço local da Al-Qaeda e de seus aliados rebeldes", informou o OSDH, que não confirmou se tratou-se de bombardeios russos ou do regime sírio.

A região encontra-se desde 2015 fora do controle de Damasco e, diariamente, é alvo de ataques do regime ou de seu aliado russo.

Um vídeo publicado pelo OSDH mostra estruturas de veículos carbonizadas, caixas de frutas e verduras entre um monte de escombros, e bombeiros se apressando para apagar o fogo.

Em 31 de maio, violentos ataques sobre esta mesma cidade deixaram ao menos 23 civis mortos e dezenas de feridos. O OSDH responsabilizou a Rússia por estes ataques, mas Moscou desmentiu.

O OSDH conta com uma grande rede de fontes de informação - militantes antirregime, rebeldes, médicos - em toda a Síria. Mas nem sempre é possível verificar suas informações.

A província de Idleb é controlada pelo "Exército da Conquista", uma coalizão composta principalmente pela Frente Al-Nosra, braço sírio da Al-Qaeda, e por outros grupos extremistas e rebeldes islamitas.

Graças à campanha aérea lançada pela Rússia em apoio ao regime, Damasco pôde recuperar a vantagem em sua guerra contra os rebeldes, que querem derrubar o governo, e contra os extremistas, que ganharam cada vez mais poder neste conflito, que, em cinco anos, deixou mais de 280.000 mortos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias