#PrayforOrlando

Comunidades gay e LGBT dos EUA e Europa repudiam massacre em Orlando

Em nota, comunidades manifestaram solidariedade às pessoas que morreram ou ficaram feridas no massacre.

JC Online
JC Online
Publicado em 12/06/2016 às 18:45
Foto: AFP
FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Líderes de organizações gays nos Estados Unidos e na Europa divulgaram hoje (12) nota de repúdio ao ataque contra uma boate gay, em Orlando, no estado da Flórida, e manifestaram solidariedade às pessoas que morreram ou ficaram feridas no massacre.

“Foi com grande choque e consternação que a Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intergêneros (Ilga) soube do tiroteio em massa em um clube gay em Orlando, Flórida, que é conhecido por seus programas comunitários”, afirmou o diretor-executivo da Ilga, Renato Sabbadini, no site da organização. Com sede na Suíça, a Ilga é uma das maiores entidades de defesa da comunidade LGBT do mundo e suas pesquisas sobre o assunto costumam ser estudadas e avaliadas pela Organização das Nações Unidas para a elaboração de políticas destinadas à proteção de minorias.

"Estamos devastados por esta tragédia e não podemos imaginar a extensão do terror sobre o que estava previsto para ser uma noite de diversão para muitos membros da nossa comunidade e seus aliados", acrescentou Renato Sabbadini.. "Estamos de luto pelas vítimas, e os nossos corações estão com suas famílias, seus amigos e toda a comunidade", disse Sabbadini.

Nos Estados Unidos, líderes LGBT e entidades emitiram declarações de solidariedade às pessoas que morreram ou ficaram feridas em Orlando. A organização Equality Florida iniciou uma campanha para angariar fundo destinado a ajudar as famílias das vítimas de Orlando.

 

Foto: AFP
#PrayForOrlando - Pessoas fazem vigília em frente a hospital de Orlando onde estão vítimas do ataque - Foto: AFP
Foto: AFP
Tiroteio em boate gay deixa 50 mortos e 53 feridos em Orlando, Estados Unidos - Foto: AFP
Foto: AFP
FBI abriu uma investigação por 'ato de terrorismo' - Foto: AFP
Foto: AFP
Boate Pulse, local do massacre de Orlando, é uma das casas noturnas mais emblemáticas da causa LGBT - Foto: AFP
Foto: AFP
Suspeito foi identificado como Omar Seddique Mateen, cidadão americano de origem afegã - Foto: AFP
Foto: AFP
Presidente dos EUA, Obama classificou o ataque como um ato 'de terror e ódio' - Foto: AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP

 

"Estamos de coração partido e enojados com essa violência sem sentido, que destruiu vidas em nosso estado e em nosso país", informou a Equality Florida, que representa lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros da Flórida. "Não fazemos suposições sobre o motivo. Vamos aguardar os detalhes enquanto derramamos lágrimas de tristeza e de raiva”, acrescentou a entidade.

O diretor da entidade Assembleia Igualitária LGBT, Roddy Flynn, também condenou o ataque na boate de Orlando e disse que a tragédia terá “impacto relevante sobre toda a comunidade".


Últimas notícias