CRISE

Novo apagão afeta várias regiões da Venezuela, incluindo Caracas

Em Caracas, os sinais de trânsito não funcionam e as redes telefônicas estão em colapso, assim como o serviço de internet

Fillipe Vilar
Fillipe Vilar
Publicado em 25/03/2019 às 15:57
Foto: Reprodução/Twitter
Em Caracas, os sinais de trânsito não funcionam e as redes telefônicas estão em colapso, assim como o serviço de internet - FOTO: Foto: Reprodução/Twitter
Leitura:

Um novo apagão afeta, nesta segunda-feira, várias regiões da Venezuela, incluindo Caracas, quase 20 dias depois de um episódio similar que paralisou o país por uma semana, constatou a AFP e informaram usuários do Twitter.

A eletricidade acabou às 13H20 (14H20 de Brasília) em boa parte de Caracas e, segundo vários usuários do Twitter, o apagão também afeta grandes cidades do oeste, como Barquisimeto e Barinas.

Em Maracaibo, capital do petroleiro Zulia, os internautas informaram que o serviço se encontra "instável" e que a luz "vem e vai". 

Em Caracas, os sinais de trânsito não funcionam e as redes telefônicas estão em colapso, assim como o serviço de internet.

 Os venezuelanos usaram a tag "#SinLuz" para relatar os cortes no Twitter. 

Apagão generalizado

O país superou um apagão generalizado há alguns dias, de 7 a 14 de março, o que complicou as comunicações, a distribuição de água e combustível, bem como o fornecimento de alimentos. 

Também teria causado, segundo relatos, a morte de mais de uma dúzia de pacientes em hospitais. 

O governo de Nicolas Maduro, em seguida, acusou os Estados Unidos de ter feito "ataques cibernéticos" contra a principal usina hidrelétrica do país, com o apoio da oposição, liderada pelo líder parlamentar Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por Washington e 50 governos. 

A oposição atribui a crise da eletricidade ao abandono da infraestrutura e da corrupção.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias