Política

Trump fala 'absolutamente a sério' sobre tarifas ao México

"As pessoas disseram durante anos que deveríamos falar com o México. O problema é que o México é um 'abusador' dos Estados Unidos, que tira, mas nunca dá", tuitou Trump no domingo.

Davi Souza
Davi Souza
Publicado em 02/06/2019 às 21:10
Notícia
Jim WATSON / AFP
"As pessoas disseram durante anos que deveríamos falar com o México. O problema é que o México é um 'abusador' dos Estados Unidos, que tira, mas nunca dá", tuitou Trump no domingo. - FOTO: Jim WATSON / AFP
Leitura:

Donald Trump intensificou seus ataques ao México pela imigração neste domingo (2), e seu chefe de gabinete, Mick Mulvaney, garantiu que o presidente dos Estados Unidos está falando "absolutamente e sério" sobre impor tarifas às importações do seu vizinho do sul.

Apesar da investida de Washington, o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), disse que quer preservar a amizade com os Estados Unidos.

"O presidente do México quer continuar sendo amigo do presidente Donald Trump, mas sobretudo os mexicanos são amigos do povo americano", disse AMLO em discurso em seu país.

"Juremos que nada, nem ninguém separe a nossa bonita e sagrada amizade", acrescentou.

Horas antes, Trump havia se referido ao México como abusador.

"As pessoas disseram durante anos que deveríamos falar com o México. O problema é que o México é um 'abusador' dos Estados Unidos, que tira, mas nunca dá", tuitou Trump no domingo. 

A ameaça surpreendente de Trump nesta semana de impor tarifas progressivas a todas as importações do México, começando com 5% em 10 de junho e chegando a 25% em outubro, desconcertou os republicanos no Congresso e abalou os mercados mundiais, já temerosos pela guerra comercial entre Washington e Pequim.

Mas Mulvaney, chefe de gabinete da Casa Branca, disse que Trump fala "absolutamente a sério" sobre as tarifas. "Espero totalmente que essas tarifas entrem pelo menos em nível de 5% em 10 de junho", declarou ao programa "Fox News Sunday". 

O jornal The New York Times informou que a medida, impulsionada pelos adeptos de uma linha dura contra a imigração, foi rejeitada pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, representante comercial, Robert Lighthizer, e pelo genro de Trump, Jared Kushner, intermediário crucial da Casa Branca com o México. 

Os ataques americanos também ocorreram apesar dos esforços de conciliação do presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, que disse no sábado que autoridades do governo dos EUA estão dispostas a "chegar a acordos e compromissos". 

Conciliação

Mulvaney disse que Kushner e o secretário de Estado Mike Pompeo se encontrarão com representantes do governo Lopez Obrador em Washington esta semana, assim como Lighthizer, para explicar o que os mexicanos poderiam fazer para evitar tarifas.

"O México está enviando uma grande delegação para falar sobre a fronteira. O problema é que eles estão 'conversando' há 25 anos. Queremos ação, palavras", escreveu Trump em um novo tuíte neste domingo. 

"Eles poderiam resolver a crise das fronteiras em um dia, se quiserem, caso contrário, nossas empresas e empregos estão voltando para os Estados Unidos", insistiu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias