PERFIL

Conheça Alberto Fernández, presidente eleito da Argentina

Peronista de centro-esquerda, Fernández derrotou o atual presidente da Argentina, o liberal Mauricio Macri nesse domingo (27)

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 28/10/2019 às 8:45
Notícia
Foto: Reprodução/Twitter @alferdez
Peronista de centro-esquerda, Fernández derrotou o atual presidente da Argentina, o liberal Mauricio Macri nesse domingo (27) - Foto: Reprodução/Twitter @alferdez
Leitura:

Considerado um peronista de centro-esquerda, moderado e pragmático, o advogado e professor de Direito Alberto Fernández, 60 anos, foi eleito presidente da Argentina nesse domingo (27) em uma chapa ao lado da ex-presidente do país, Cristina Kirchner. Fernández obteve 48,03% dos votos com mais de 96% das mesas apuradas, contra o presidente liberal Mauricio Macri, que conseguiu 40,44% dos votos.

A vitória de Alberto já era esperada por analistas políticos, porém é considerada surpreendente, visto que o presidente eleito disputou apenas uma eleição popular em 2000, quando foi eleito vereador de Buenos Aires. Nessa época, ele publicou um artigo em um jornal, que despertou o interesse de Néstor Kirchner em conhecer o autor.

Após se encontrarem, Alberto e Néstor se tornaram amigos e coube ao hoje presidente eleito apresentar o casal Kirchner, que vinha de uma pequena província argentina, a dirigentes influentes do país.

Relação com os Kirchners

Essa relação amistosa fez com que, cerca e três anos após conhecer Néstor, Alberto assumisse o cargo público, até então, mais importante de sua vida. Em 2003, ele assumiu chefe de gabinete de Kirchner, eleito presidente naquele ano. Fernández ficou no cargo até o fim do governo de Néstor, em 2007.

Como Kirchner decidiu não disputar a reeleição e lançar a esposa, Cristina, que foi eleita em 2007, Alberto Fernández decidiu colocar seu cargo à disposição para que a nova presidente pudesse montar seu gabinete de governo. A presidente, porém, convidou Alberto para permanecer no posto que ocupava no governo do marido.

Ele permaneceu no cargo até 2008, quando saiu do governo após atritos com sua agora vice-presidente, que protagonizava um embate com os proprietários rurais e com os grandes meios de comunicação. Desde então, o ex-chefe de gabinete se aliou a peronistas opositores dos Kichners. Hoje, esse episódio surge como um argumento de demonstração da independência de Fernández, contra aqueles que o acusam de ser uma mera marionete de Cristina.

'Liberal de esquerda'

Críticos do futuro presidente argentino o chamam de cameleão por causa de suas controvérsias alianças ao longo dos últimos anos, que foram de peronistas a ultraliberais. Em sua defesa, Fernández se define como um 'liberal de esquerda, um liberal progressista'.

"Acredito nas liberdades individuais e acho que o Estado tem que estar presente para o que o mercado precisar. E sou um peronista. Estou inaugurando o braço do liberalismo progressista peronista", falou Alberto durante um debate.

Durante a campanha à Casa Rosada, sede do governo argentino, Fernández visitou os líderes da esquerda latino-americana, como o ex-presidente uruguaio José "Pepe" Mujica, o mandatário boliviano Evo Morales e o ex-presidente Lula, a quem o peronista caracteriza como preso político.

Perfil reservado

Torcedor do Argentino Juniors, time que revelou Diego Maradona e Juan Román Riquelme, Alberto Fernández é visto como alguém de perfil reservado, cuja vida privada é pouco conhecida. Apesar disso, o futuro presidente dos 'hermanos' gosta de publicar fotos de seu cachorro, que tem perfis no Instagram (@dylanferdezok) e no Twitter (@dylanferdez).

O peronista gosta de tocar violão, compor músicas e ouvir rock argentino. Pai de apenas um filho, Estanislao, 24 anos, fruto de uma relação que terminou em 2005, Fernández vive atualmente com a jornalista de Cultura e atriz Fabiola Yáñez, em Puerto Madero, um dos endereços mais nobres da capital argentina, Buenos Aires.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias