ARGENTINA

Alberto Fernández assume o governo na Argentina

Novo presidente defendeu diálogo e democracia

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 10/12/2019 às 16:48
Notícia
Foto: JUAN MABROMATA / AFP
Novo presidente defendeu diálogo e democracia - FOTO: Foto: JUAN MABROMATA / AFP
Leitura:

Por volta das 12h desta terça-feira (10), Mauricio Macri passou o bastão de comando e a faixa presidencial para o novo mandatário argentino, Alberto Fernández. O novo presidente fez um discurso diante do Parlamento e afirmou que quer ser o presidente que escuta, o presidente do diálogo. Alberto Fernández acrescentou que os problemas da democracia só se resolvem com mais democracia.

Fernández tem como vice a ex-presidente e ex-senadora Cristina Kirchner. Eles venceram as últimas eleições, em primeiro turno, com 48% dos votos, enquanto Macri obteve, em segundo lugar, 40%.

O novo presidente herda um país com problemas como o da dívida de 44 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Há uma parcela de 11 bilhões da operação ainda a ser paga, mas Fernández anunciou que não pretende recorrer a este empréstimo. Outro desafio do país é a inflação de quase 55% registrada este ano e o cenário socioeconômico de 40% da população na pobreza. No comando do país, Fernández ainda enfrentará debates e temas impopulares, como o da legalização do aborto.

Solenidades

As solenidades começaram na manhã desta terça (10) e seguirão até o final da tarde. Após o discurso de Fernández no Congresso, parlamentares cantaram a Marcha Peronista e gritaram "Alberto presidente!".

Na tarde desta terça-feira, às 15h, o mandatário receberá os cumprimentos dos chefes de Estado e de Governo que compareceram à cerimônia de posse. O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, está representando o país.

Às cinco da tarde, serão prestados juramentos dos ministros de Governo. Às sete da noite, Alberto Fernández e Cristina Kirchner cumprimentarão a população na Praça de Maio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias