mísseis

Chefe da guarda revolucionária do Irã é morto no Iraque

Ao menos oito pessoas morreram, incluindo o número dois da Hashd al Shaabi, coalizão de paramilitares majoritariamente pró-Irã, e o general iraniano Qasem Soleimani

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 02/01/2020 às 22:57
Notícia
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
FOTO: Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Leitura:

atualizada às 11h10 do dia 03 de janeiro de 2020

Ao menos oito pessoas morreram na noite desta quinta-feira (2), incluindo o líder da guarda revolucionária iraniana Qasem Soleimani e um líder paramilitar local, em um ataque com mísseis contra o Aeroporto de Bagdá, três dias após manifestantes pró-Irã tentarem invadir a embaixada americana na capital do Iraque, informaram os serviços de segurança.

"Três mísseis atingiram o Aeroporto Internacional de Bagdá próximo ao terminal de carga, e dois explodiram", matando ao menos oito pessoas, revelaram os funcionários, que pediram para não ser identificados.

Leia mais:

''Deus, nós confiamos em você''. O que diz o Twitter no Irã e Iraque após ataque de Trump

Ataque de Trump ao Irã vai impactar no preço do combustível, afirma Bolsonaro

Iranianos protestam na capital do Irã contra os "crimes" dos Estados Unidos

Premier de Israel, Netanyahu diz que Trump tem direito de ter feito ataque contra Irã

As vítimas estavam em um comboio das Forças de Mobilização Popular (Hashd al Shaabi), uma coalizão de paramilitares majoritariamente pró-Irã e atualmente integrada ao Estado iraquiano, segundo os mesmos funcionários.

Entre os mortos estão Abu Mehdi al-Muhandis, número dois da Hashd al Shaabi, e o general iraniano Qasem Soleimani, informou a TV estatal iraquiana, citando o porta-voz das Forças de Mobilização Popular, Ahmed al-Assadi.

As mortes foram confirmadas por diversas fontes dos serviços de segurança iraquianos. 

Segundo a Hashd al Shaabi, Al-Muhandis e Soleimani foram mortos "em um bombardeio americano".

Foto: ATTA KENARE / AFP
Iranianos choram durante protesto contra a morte de Qasem Soleimani - Foto: ATTA KENARE / AFP
Foto: Aamir QURESHI / AFP
No Paquistão, protestantes queimam a bandeira dos Estados Unidos - Foto: Aamir QURESHI / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Na Índia, protestante segura imagem do presidente iraniano Hassan Rouhani em ato contra os EUA - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: ATTA KENARE / AFP
Mulheres iranianas participam de protesto contra 'crimes americanos' no Teerã - Foto: ATTA KENARE / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
- Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Bandeira dos Estados Unidos posta no chão para os carros passarem em Bagdá, capital do Iraque - Foto: AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
No cartaz, o poderoso general Qasem Soleimani, morto em bombardeio dos Estados Unidos nessa quinta - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Protesto na Índia, Ásia - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Protestantes seguram cartazes contra EUA e Israel após ataque que provocou morte do general iraniano - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP

Iraque tem sido palco de espiral de tensão

O Iraque tem sido palco, nas últimas semanas, de uma espiral de tensão que ameaça transformar o país em um campo de batalha entre forças apoiadas por Estados Unidos e Irã. 

Desde o final de outubro, militares e diplomatas americanos foram alvo de ataques, e na semana passada um funcionário dos EUA morreu em um bombardeio com foguetes.

Washington, que acusa as Forças de Mobilização Popular de estar por trás do ataque à sua embaixada em Bagdá, na terça, havia atacado no domingo posições do grupo na zona de fronteira com a Síria, matando 25 combatentes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias