SAÚDE

Além do coronavírus, relembre outras doenças que alarmaram a população no mundo

Novo vírus já matou matou 106 na China até esta terça (28); OMS classificou o risco internacional da doença como 'elevado'

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 28/01/2020 às 11:14
SONNY TUMBELAKA / AFP
FOTO: SONNY TUMBELAKA / AFP
Leitura:

O novo coronavírus tem causado apreensão mundial, seja na internet ou na comunidade científica, pela rapidez que tem que alastrado. Com epicentro em Wuhan, a doença já matou 106 na China e cerca de 4,1 mil casos confirmados pelo mundo até esta segunda-feira (28). No mesmo dia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou como ‘elevado’ o risco internacional do vírus. A doença se assemelha à outras epidemias que marcaram os últimos tempos, como as que o JC relembrou abaixo.

>> Coronavírus: como é a transmissão, os sintomas e o tratamento

>> Cientistas especulam que número de casos de coronavírus pode superar 40 mil

Relembre

Peste Negra (1346 a 1353)

Peste negra, ou morte negra, foi uma das pandemias mais devastadoras da humanidade, resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia (Europa e Ásia) entre os anos de 1346 e 1353. Somente no continente europeu, estima-se que tenha vitimado pelo menos um-terço da população em geral. A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis, transmitida ao ser humano através das pulgas (Xenopsylla cheopis) dos ratos-pretos (Rattus rattus) ou outros roedores.

Cólera (1817 a 1824)

A cólera teve sua primeira epidemia global em 1817, indo do Vale do Rio Ganges ao norte da África e outras regiões da Ásia, e deixou centenas de milhares de mortos. A contaminação se dá por meio de água ou alimentos contaminados, e o principal sintoma é uma diarreia intensa. A OMS estima que exista de 1,4 a 4,3 milhões de casos de cólera no mundo e que de 28 mil a 142 mil pessoas morram devido à doença todos os anos.

Tuberculose (1850 a 1950)

Entre os anos de 1850 a 1950, cerca de um bilhão de pessoas morreram de Tuberculose, com uma média de 500 mortes por 100.000 pessoas na Europa. O número diminuiu exponencialmente para 50 mortes por 100 mil pessoas após 1946, com o desenvolvimento do antibiótico estreptomicina, quando o tratamento se tornou possível.

Sarampo (Até 1963)

O Sarampo era uma das causas principais de mortalidade infantil até a descoberta da primeira vacina, em 1963, com 6 milhões de mortos por ano. Com o passar do tempo, a vacina foi aperfeiçoada, e a doença foi erradicada em vários países. Pernambuco terminou o ano de 2019 com 1.226 casos suspeitos de sarampo, dos quais 268 (21,9%) foram confirmados, 620 (50,6%) descartados e 338 (27,5%) ainda permanecem em investigação. Os dados estão no último boletim do ano da Secretaria Estadual de Saúde (SES)

Síndrome Respiratória Aguda Grave (2002 a 2003)

A Síndrome Respiratória Aguda Grave, ou SARS, com primeiro registro na China, teve um surto mundial em 2002. A doença fez mais de 800 mortos, com oito mil casos foram confirmados ao redor do mundo, incluindo Canadá e Estados Unidos. Os sintomas incluíam febre, dor de cabeça, calafrios, dores musculares, tosse seca e dificuldade para respirar.

Gripe Suína (2009)

A gripe A (H1N1), que ficou conhecida como gripe suína, assolou os seis continentes do globo em 2009. Segundo as últimas estatísticas da OMS, o vírus causou a morte de mais de 18 mil pessoas desde o seu aparecimento, em abril de 2009, e foi considerada uma pandemia, título designado a quando a infecção ocorre na população localizada em uma grande região geográfica. Quem não lembra da instalação de recipientes com álcool em gel em instituições de todo o Brasil?

Ebola (2013)

Surto de Ebola na África Ocidental foi uma epidemia que se iniciou em dezembro de 2013 na Guiné, na África Ocidental, e se espalhou pela Libéria, Serra Leoa, Nigéria, Senegal e Estados Unidos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) tratou o vírus, na época, como a maior epidemia de febre hemorrágica em termos de pessoas afetadas, número de mortos e extensão geográfica. Até 2015, o Ebola infectou um total de 23.034 pacientes, resultando em 9.268 mortes.

SONNY TUMBELAKA / AFP
Turistas chineses em Dempassar, na Indonésia - SONNY TUMBELAKA / AFP
ANTHONY WALLACE / AFP
Pedestres usam máscaras durante feriado do Ano Novo Chinês, em Hong Kong - ANTHONY WALLACE / AFP
SONNY TUMBELAKA / AFP
Turistas chineses em Dempassar, na Indonésia - SONNY TUMBELAKA / AFP
Anthony WALLACE / AFP
Casal usando máscaras no metrô de Hong Kong, na China - Anthony WALLACE / AFP
Anthony WALLACE / AFP
Passageiros usando máscaras aguardam por trem na plataforma em Hong Kong - Anthony WALLACE / AFP
Anthony WALLACE / AFP
Passageiros usando máscaras viajam em trem durante feriado de Ano Novo Chinês - Anthony WALLACE / AFP
Anthony WALLACE / AFP
Homem usando máscaras sentado em um banco enquanto aguarda por trem - Anthony WALLACE / AFP
SONNY TUMBELAKA / AFP
Turista chinês usa máscara para se proteger do coronavírus em Dempanssar, na Indonésia - SONNY TUMBELAKA / AFP
Anthony WALLACE / AFP
Passageiros usando máscaras aguardam por trem na plataforma em Hong Kong - Anthony WALLACE / AFP

Últimas notícias