Operação

Defesa de investigado na Lava Jato quer acesso à delação de Nakandakari

Advogados do engenheiro negam o pagamento de propina e se colocaram à disposição da Polícia Federal para colaborar com as investigações

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 12/02/2015 às 12:44
Foto: Agência Brasil
Advogados do engenheiro negam o pagamento de propina e se colocaram à disposição da Polícia Federal para colaborar com as investigações - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

A defesa do diretor da Galvão Engenharia Erton Medeiros Fonseca, preso na sétima fase da Operação Lava Jato, em novembro do ano passado, pediu à Justiça Federal acesso aos depoimentos de Shinko Nakandakari, acusado de intermediar pagamento de propina em contratos com a Petrobras.

Na terça-feira (10), durante audiência de testemunhas na ação penal em que Fonseca é réu, o Ministério Público Federal informou ao juiz Sérgio Moro que a força-tarefa responsável pelas investigações que está discutindo com Nakandakari os termos de um acordo de delação premiada, no qual os primeiros depoimentos já foram tomados.

Durante a sétima fase da Lava Jato, em novembro do ano passado, a  defesa de Erton Medeiros entregou à polícia comprovantes do pagamento de R$ 8,8 milhões de propina a uma pessoa que se apresentou como emissária da Diretoria de Serviços da Petrobras. Segundo o advogado do executivo, os pagamentos foram ordenados por Nakandakari, com conhecimento do ex-gerente de Serviços Pedro Barusco.

Os advogados do engenheiro negam o pagamento de propina e se colocaram à disposição da Polícia Federal para colaborar com as investigações.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias