Tribunal

STF diz que não cabe defesa prévia de Dilma antes da decisão de Cunha

Votação que define o rito do impeachment prossegue no plenário da Corte para decidir sobre a validade de votação secreta, realizada no dia 8 deste mês

Giovanna Torreão
Giovanna Torreão
Publicado em 17/12/2015 às 18:10
Foto: Agência Brasil
Votação que define o rito do impeachment prossegue no plenário da Corte para decidir sobre a validade de votação secreta, realizada no dia 8 deste mês - Foto: Agência Brasil
Leitura:

Os oito ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que já votaram na sessão que define o rito do impeachment decidiram que não cabe defesa prévia da presidenta Dilma Rousseff antes da decisão individual do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que aceitou o pedido de impedimento apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júniro e Janaína Paschoal.

A votação prossegue no plenário da Corte para decidir sobre a validade de votação secreta, realizada no dia 8 deste mês. na qual foi eleita para a comissão especial do impeachment a chapa avulsa formada por oposionistas. Neste ponto, o placar está em 5 votos a 3 pela anulação da votação.

Por meio de uma ação do PCdoB, a Corte julga a validade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. As normas foram usadas por Eduardo Cunha para dar andamento às etapas inciais do processo, que foi suspenso pelo ministro Edson Fachin.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias