Lava Jato

'Impeachment não é golpe desde que se respeite a Constituição', diz Cármen Lúcia

Não há um caminho definido para os próximos episódios da crise política, para Cármen

Do Estadão Conteúdo
Do Estadão Conteúdo
Publicado em 24/03/2016 às 7:07
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Não há um caminho definido para os próximos episódios da crise política, para Cármen - FOTO: Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Leitura:

Em entrevista concedida ao jornalista Roberto D'Ávila, a vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, comentou os desdobramentos da Operação Lava Jato e avaliou que as leis estão sendo respeitadas. Ao ser questionada sobre a legalidade do processo de impeachment, a ministra disse que a ação em si não é golpe, desde que se respeite a Constituição. 

"Golpe é a ruptura de um processo democrático de aplicação da Constituição", afirmou Cármen Lúcia na entrevista transmitida na noite desta quarta-feira pela GloboNews. A ministra ponderou que, caso haja algum desacordo com os procedimentos judiciais na Lava Jato ou no STF, "nada impede que se continue a haver recursos". 

Carmén Lúcia disse ainda que "não se pode fazer nada contra as leis", em uma referência ao argumento dos governistas de que o juiz Sérgio Moro teria atropelado a legislação ao divulgar o conteúdo dos grampos de uma conversa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff. A conversa "não pode ser gravada ou ter seus autos divulgados sem que o órgão competente autorize, no caso o STF", afirmou. 

De acordo com Cármen Lúcia, não há um caminho definido para os próximos episódios da crise política "porque o que temos efetivamente é um processo crítico cujos resultados não são claros ainda", avaliou. A ministra negou que o STF esteja acovardado e defendeu as instituições. "Não existe democracia sem liberdade de expressão e sem uma imprensa livre. Mas exageros haverão de ser contidos".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias