Conselho Federal

OAB apoia destruição de grampos que pegaram advogado de Lula

A OAB decidiu apoiar ação movida pelo escritório que defende Lula para destruir mais de 13 horas de gravações feitas com autorização de Moro

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 23/11/2017 às 22:43
Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
A OAB decidiu apoiar ação movida pelo escritório que defende Lula para destruir mais de 13 horas de gravações feitas com autorização de Moro - FOTO: Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Leitura:

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) decidiu apoiar a ação movida pelo escritório Teixeira, Martins & Advogados, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato, para destruir as mais de 13 horas de interceptações telefônicas feitas com autorização do juiz Sérgio Moro a partir do telefone central do escritório.

A OAB decidiu apoiar o pleito dois dias depois de mais de 230 advogados e juristas, entre eles alguns dos mais importantes do País, divulgarem um manifesto no qual defendem a destruição das gravações e a entrada da entidade no caso.

No dia 8 de novembro o desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do processo no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou pedido para destruir as gravações alegando que não havia urgência para uma decisão.

Moro autorizou interceptação telefônica em 2015

Em 2015, Moro autorizou a interceptação telefônica do ramal central do escritório alegando que o número constava como sendo da Lils, empresa de palestras de Lula. Segundo o escritório, durante 27 dias foram grampeadas 417 conversas de 25 advogados que somam mais de 13 horas de gravações.

Durante meses estas conversas ficaram disponíveis a todos as partes envolvidas na Lava Jato até que o próprio Moro decidiu pelo sigilo das gravações. Na época o juiz argumentou que o dono do escritório, Roberto Teixeira, advogado e compadre de Lula, era "diretamente investigado". Teixeira é réu em processo relativo à Lava Jato por suspeita de auxiliar a Odebrecht a repassar valores para o ex-presidente. Ele nega as acusações.

Segundo o escritório, recentemente um dos procuradores da força-tarefa de Curitiba pediu autorização para acessar os áudios.

Ao ingressar como parceiro de Teixeira na ação que corre no TRF-4, a OAB nacional argumenta que as interceptações ferem o direito ao sigilo das comunicações entre advogado e cliente.

"Não é possível admitir a interceptação e a manutenção das provas dela decorrentes, para se descobrir se um dos advogados da sociedade de advogados estaria ou não envolvido em crimes. Isto porque, após anos de tramitação, mesmo após o reconhecimento por parte da autoridade coatora de que houve um equívoco na quebra do sigilo telefônico do escritório, as provas não foram excluídas e, agora, uma decisão fundamentação relevante determina a sua manutenção enquanto durar o processo. Isso é um absurdo!", alega a OAB.

Segundo a entidade, o fato de Teixeira ser réu não é suficiente para a manutenção das gravações.

"Se um desses passou a ser investigado, ainda assim, não é razoável, como primeira medida, a determinação de interceptações de seus telefones - muito menos de terceiros, como no caso em apreço - uma vez que estava no seu regular exercício profissional, na defesa de seu cliente", diz a OAB.

No ofício endereçado a Gebran Neto, a entidade faz questão de salientar que não se trata de interferência quanto ao mérito das investigações mas apenas de uma tentativa de assegurar o respeito às prerrogativas profissionais dos advogados.

[19:49, 22/11/2017] +55 81 9293-7016:

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias