EX-FUNCIONÁRIA

Filha de ex-funcionário de Flávio Bolsonaro acumulava cargo na Alerj e carreira de personal

Nathalia de Melo Queiroz, filha do ex-policial e motorista Fabrício José Queiroz, ocupou diferentes cargos legislativos ligados à família Bolsonaro ao mesmo tempo em que estudava e trabalhava em outros locais

Ana Tereza Moraes
Ana Tereza Moraes
Publicado em 14/12/2018 às 9:06
Foto: Reprodução/Instagram
FOTO: Foto: Reprodução/Instagram
Leitura:

A funcionária Nathalia de Melo Queiroz, ligada ao deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) desde 2007, atuou na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e como profissional de educação física em outros lugares no mesmo período. De acordo com o UOL, Nathalia, que é filha do motorista Fabrício José Queiroz, trabalhava na academia Bodytech, aos 22 anos, contratada em regime de CLT e dando expediente no Norte Shopping, a 14km do prédio da Alerj, enquanto também constava na folha de pagamento da casa legislativa.

Ela foi contratada como funcionária parlamentar em setembro de 2007, quando tinha apenas 18 anos e ainda não tinha entrado na faculdade, onde ingressou apenas em 2008. Ela era comissionada no gabinete da vice-liderança do PP, partido de Flávio Bolsonaro à época.

Em 2011, período em que foi contratada pela empresa onde ficou até julho de 2012, Nathalia acumulava ainda o emprego fixo e função na Alerj com as aulas do seu último ano de faculdade de Educação Física na Universidade Castelo Branco, em Realengo, a 30km da casa legislativa.

Nesse período, ainda ocupava um cargo no departamento de taquigrafia e debates da Alerj, cujo salário bruto era R$ 2.950,66. Em agosto de 2011, passou a ter outra atribuição e se tornou assessora direta de Flávio Bolsonaro, função na qual permaneceu até dezembro de 2016, com salário de R$ 9.835,63 mensais.

Após ser exonerada do gabinete de Flávio, o nome de Nathalia foi publicado no Diário Oficial da União como secretária parlamentar de Jair Bolsonaro. Comissionados não trabalham necessariamente na Câmara, em Brasília, porque podem ser designados para a base do deputado federal. Não foi possível identificar se Nathalia dava expediente na capital federal.

A filha do ex-policial e motorista de Flavio Bolsonaro só deixou de ter cargos ligados à família no dia 15 de outubro de 2018, quando foi exonerada do gabinete do presidente eleito Jair Bolsonaro, no qual recebia salário de R4 10.088,42. Esse foi o mesmo dia em que seu pai, Fabrício, deixou o cargo que tinha na Alerj, no gabinete de Flávio.

Carreira de personal trainer

Apesar dos 11 anos de serviços prestados ao Legislativo, o UOL afirma que pessoas ligadas à Nathalia na área de educação física disseram que ela nunca mencionou exercer outra atividade. Na sua carreira como profissional de educação física, era vista dando aulas na academia Iron Box, na Barra da Tijuca, e contra na lista de personal trainers de outra rede na mesma região.

Foto: Reprodução/Instagram
- Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram
- Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram
- Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram
- Foto: Reprodução/Instagram

Ela também já foi contratada como personal por nomes famosos como Bruno Gagliasso, e dava aula para Jane Cristina Araújo Oliveira, funcionária da família Gagliasso. Em junho deste ano, ainda oficialmente lotada no gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro, ela apareceu no Instagram de Bruna Marquezine em vídeo gravado após um treino com a atriz.

O acúmulo de funções não é considerado ilegal, desde que isso não configure abandono da função pública. Na Alerj não há folha de ponto e a presença é atestada por ofício feito pela chefia de gabinete. Circunstâncias semelhantes já foram observadas em casos envolvendo funcionários fantasmas.

Relatório da Coaf

No relatório da Coaf (Conselho de Atividades Financeiras), o qual identificou movimentações atípicas de R$ 1,2 milhão no período de 2016 a 2017 em nome do seu pai, Fabrício Queiroz, também funcionário de Flávio, Nathalia foi citada por ter transferido para o pai o valor de R$ 84.110,04.

De acordo com os registros da Câmara, Nathalia recebeu cerca de R$ 225 mil em salários em quase dois anos como funcionária de Jair Bolsonaro e quase R$ 21,5 mil em auxílios.

O caso envolvendo o nome do seu pai veio à tona na última semana, no dia 6. O UOL afirma que foi a duas academias onde ela costumava atender clientes, mas não a encontrou. Um funcionário informou que ela não aparecia no local há 15 dias. Além disso, Nathalia Queiroz era usuária assídua do Instagram, com cerca de 15 mil seguidores. Sua conta, no entanto, foi apagada e o número de telefone não é mais o mesmo.

Visualizar esta foto no Instagram.

#stories da Bru

Uma publicação compartilhada por Bruna Marquezine e Neymar jr (@somos_todos_brumar) em

Visualizar esta foto no Instagram.

#TBT com minha treinadora @nat.queiroz tento fugir, mas ela não me larga ?

Uma publicação compartilhada por Jane Cristina (@janecristina.araujooliveira) em às 3:58 PDT

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias