MENSAGENS

Em novo trecho de conversa divulgado, Moro diz a Deltan que confia em Fux

A declaração foi feita ao procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol em abril de 2016

JC Online
JC Online
Publicado em 12/06/2019 às 20:50
Notícia
Fotos: Agência Brasil
A declaração foi feita ao procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol em abril de 2016 - FOTO: Fotos: Agência Brasil
Leitura:

Mais um trecho da conversa do então juiz federal e hoje ministro da Justiça Sergio Moro e do procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol foi divulgado pelo jornal The Intercept Brasil. Na troca de mensagens, Dallagnol teria encaminhado ao ex-juiz federal, em 22 de abril de 2016, mensagens que enviou a um grupo de procuradores da operação.

Aos procuradores, Deltan detalha a conversa que teve com o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF). Fux teria dado apoio a Lava Jato após ''uma queda de braço'' entre o ex-juiz federal e o então ministro da Corte, Teori Zavascki. O jornalista da BandNews Reinaldo Azevedo explicou que a ''queda de braço'' foi em relação a divulgação de conversas entre Luiz Inácio Lula da Silva e a então presidente Dilma Rousseff (PT).

"Reservado, é claro: O ministro Fux disse que quase espontaneamente que Teori fez queda de braço com Moro e viu que se queimou, e que o tom da resposta de Moro depois foi ótimo. Disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez. Só faltou, como bom carioca, chamar-me pra ir à casa dele rs. Mas os sinais foram ótimos. Falei da importância de nos protegermos como instituições", mostra um trecho. "Em especial no novo governo", conclui Deltan. 

De acordo com o jornalista, ao falar do ''novo governo'' o procurador estaria se referindo a Michel Temer (MDB). No entanto, o impeachment de Dilma Rousseff só aconteceria em agosto de 2016.

Comemoração

Em resposta a Deltan, Sergio Moro diz que "in Fux we trust [nós confiamos no Fux]".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias