MOBILIZAÇÃO

Apoiadores de Moro realizam atos em defesa do ex-juiz neste domingo

Além do apoio ao ministro, as lideranças do movimento prometem defender ainda a Reforma da Previdência e a Operação Lava Jato

JC Online JC Online
JC Online
JC Online
Publicado em 30/06/2019 às 9:45
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Além do apoio ao ministro, as lideranças do movimento prometem defender ainda a Reforma da Previdência e a Operação Lava Jato - FOTO: Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

Apoiadores do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, convocaram, para este domingo (30), atos em cerca de 150 cidades em defesa do ex-juiz federal. No Recife, a mobilização está programada para as 14h, com concentração em frente à Padaria Boa Viagem, na Avenida Boa Viagem, Zona Sul da cidade. Também haverá manifestações em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, e Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata.

Além do apoio ao ministro, as lideranças do movimento prometem defender ainda a Reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro, a Operação Lava Jato e o pacote anticrime apresentado ao Congresso por Moro. 

O ministro vem sendo alvo de críticas após o site The Intercept Brasil publicar mensagens atribuídas a ele, na época em que era juiz, e a integrantes da força-tarefa da Lava Jato. Essas conversas, segundo o site, indicariam interferência de Moro no andamento das investigações da operação. A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para investigar a invasão do celular do ministro e de procuradores.

MBL e Vem pra Rua

Ausentes nas recentes manifestações em defesa do presidente Jair Bolsonaro (PSL), no fim de maio, os grupos Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua, que lideraram os movimentos de rua pelo impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, vão participar das manifestações deste domingo (30) e afirmam que querem mobilizar o mesmo público entusiasta da Lava Jato que foi às ruas contra o PT e as denúncias de corrupção que atingiram o partido em 2015. 

"Os primeiros atos (em favor do governo) surgiram de uma rede coordenada que prega pautas com as quais não concordamos. O MBL não é pró-Bolsonaro e mantém uma linha independente. A decisão de participar agora foi uma reação à invasão do celular do Sérgio Moro", disse Renato Battista, um dos coordenadores do MBL.

Porta-voz do Vem Pra Rua, Adelaide Oliveira reforçou o discurso de independência em relação ao presidente Jair Bolsonaro e defende o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro. "O hackeamento do telefone dele foi um crime. O conteúdo revelado até agora, segundo juristas, não é comprometedor", afirmou Adelaide.

Últimas notícias