DECLARAÇÃO

Presidente da OAB acionará STF por fala de Bolsonaro sobre morte de seu pai

Em declaração à jornalistas nesta segunda, Bolsonaro disse saber como o pai de Felipe Santa Cruz desapareceu no período da ditadura militar

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 29/07/2019 às 20:49
Notícia
Foto: Agência Brasil
Em declaração à jornalistas nesta segunda, Bolsonaro disse saber como o pai de Felipe Santa Cruz desapareceu no período da ditadura militar - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

No final da tarde desta segunda-feira (29), a assessoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) informou que o presidente da entidade vai interpelar Jair Bolsonaro (PSL) no Supremo Tribunal Federal (STF) "para que o presidente esclareça as informações que diz ter sobre a morte de seu pai, reconhecido como desaparecido. As circunstâncias do seu desaparecimento nunca foram esclarecidas pelo Estado".

Pelo Twitter, Felipe Santa Cruz criticou Bolsonaro pelo tom com o qual se referiu ao seu pai. "O mandatário da República deixa patente seu desconhecimento sobre a diferença entre público e privado, demostrando mais uma vez traços de caráter graves em um governante: a crueldade e a falta de empatia. É de se estranhar tal comportamento em um homem que se diz cristão. Lamentavelmente, temos um presidente que trata a perda de um pai como se fosse assunto corriqueiro – e debocha do assassinato de um jovem aos 26 anos. Meu pai era da juventude católica de Pernambuco, funcionário público, casado, aluno de Direito", escreveu.

Em entrevista ao Jornal Nacional, Santa Cruz confirmou que irá ao STF. "Quero saber do presidente o que ele efetivamente sabe, se ele soube nos porões da ditadura, o que é muito grave, porque ele diz que soube à época quando era militar, então ele reconhece relação com os porões da ditadura. Vou ao Supremo Tribunal Federal, interpelar o presidente para que ele esclareça isso", disse.

'Opinião pessoal'

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse nesta segunda que Jair Bolsonaro expressou uma opinião pessoal sobre o desaparecimento do advogado Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Mais cedo, durante uma live no Facebook, Bolsonaro disse que Fernando Santa Cruz, que era militante de esquerda durante a ditadura militar (1964-1985), foi morto por integrantes da Ação Popular, um grupo de luta armada contra o regime e não pelas Forças Armadas.

"Como ele disse na live, ele fez contato com algumas pessoas na ocasião, conheceu do tema, na ocasião, e foi a partir desse contato que ele expressou a sua opinião", disse Rêgo Barros. 

Relatório da CNV

Segundo o relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), o ex-delegado do DOPS/ES, Cláudio Guerra disse, em depoimento dado no dia 23 de julho de 2014, que o corpo de Fernando Santa Cruz foi transportado da chamada Casa da Morte, um centro clandestino de tortura e assassinato criado pelos órgãos de governo durante o regime militar, localizado em Petrópolis (RJ) para a Usina Cambahyba, no norte fluminense, local onde teria sido incinerado, junto com corpos de outros militantes políticos contrários ao regime.

Ainda segundo o relatório da CNV, Fernando de Santa Cruz e Eduardo Collier Filho, ambos militantes da APML [Ação Popular Leninista-Marxista], foram presos por agentes do DOI-CODI/RJ em 23 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro. Os órgãos oficiais do regime alegaram, segundo a comissão, que ambos os militantes políticos se encontravam foragidos e jamais admitiram suas prisões.

Perguntado por jornalistas se o presidente da República estaria contestando a versão oficial sobre o episódio, contida no relatório da CNV, Otávio Rêgo Barros repetiu que a posição de Bolsonaro já havia sido explicitada. "O presidente, sobre esse assunto, já se expressou na saída do Palácio do Alvorada, hoje pela manhã, incluindo a presença dos senhores jornalistas e, posteriormente, a complementou em uma live em rede social à tarde".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias