Ex-ministro

Fernando Bezerra Coelho recebeu R$ 5,5 mi em propinas, diz PF

Os pagamentos teriam acontecido durante a passagem do político pelo Ministério da Integração Nacional, na primeira gestão Dilma Rousseff (PT)

JC Online
JC Online
Publicado em 19/09/2019 às 12:39
Notícia
Foto: Agência Senado
Os pagamentos teriam acontecido durante a passagem do político pelo Ministério da Integração Nacional, na primeira gestão Dilma Rousseff (PT) - FOTO: Foto: Agência Senado
Leitura:

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) recebeu R$ 5,5 milhões em propina desviada de obras públicas no Nordeste. Já seu filho, o deputado federal Fernando Filho (DEM-PE), recebeu R$ 1,7 milhão no mesmo esquema durante a primeira gestão Dilma Rousseff (PT). As informações são do jornal O Globo.

As informações foram relatadas pela Polícia Federal (PF) ao ministro do Supremo Tribunal Federal ( STF) Luís Roberto Barroso ao pedir mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao senador.

Os parlamentares pernambucanos foram alvo de uma operação deflagrada pela PF no Congresso Nacional, no Distrito Federal, e em Pernambuco, que investiga irregularidades em obras públicas.

Em delação premiada, o operador financeiro João Carlos Lyra afirmou que parte dos pagamentos de propina foram feitos por meio de repasses a concessionárias de veículos pertencentes a pessoas ligadas ao senador. Em depoimento, o delator presenta todas as obras nas quais houve superfaturamento para repasses de propina.

"Em relação à OAS, tais obras foram as seguintes: Rodovia PE-60, Pier Petroleiro, Orla de Jaboatão dos Guararapes, Canal do Sertão, BR-101 e Transposição do Rio São Francisco", relatou. Prossegue o delator: "Em relação à Mendes Júnior, tais obras foram as seguintes: Transposição do Rio São Francisco e, possivelmente, Ramal da Copa do Mundo".

Liderança do governo

O Senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo Bolsonaro, deixou seu cargo à disposição do presidente após ser alvo da operação na manhã desta quinta (19).

"Tomei a iniciativa de colocar à disposição o cargo de líder do governo para que o governo possa, ao longo dos próximos dias, fazer uma avaliação se não seria o momento de proceder uma nova escolha ou não", disse o senador pernambucano.

O parlamentar disse que conversou com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), antes de tomar a decisão.

Respostas

Em nota, o senador Fernando Bezerra Coelho, por meio de sua assessoria, afirmou que a operação acontece em razão da sua atuação política "contra determinados interesses dos órgãos de persecução penal." Confira a íntegra da nota:

"Causa estranheza à defesa do senador Fernando Bezerra Coelho que medidas cautelares sejam decretadas em razão de fatos pretéritos que não guardam qualquer razão de contemporaneidade com o objeto da investigação. A única justificativa do pedido seria em razão da atuação política e combativa do senador contra determinados interesses dos órgãos de persecução penal."

O deputado Fernando Filho disse, também por meio de sua assessoria, que sua "defesa ainda não teve acesso ao pedido e à decisão do ministro que autorizou as medidas, mas pode afirmar que as medidas são desnecessárias e extemporâneas."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias