COMBATE

Moro: combate à corrupção e ao crime organizado melhora ambiente de negócios

O ministro Moro fala neste início de tarde para empresários do setor industrial no Teatro do Sesi

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 14/10/2019 às 18:58
Notícia
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
O ministro Moro fala neste início de tarde para empresários do setor industrial no Teatro do Sesi - FOTO: Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

O ministro da Justiça, Sergio Moro, voltou a dizer nesta segunda-feira, 14, que o combate à corrupção, ao crime organizado e à criminalidade violenta melhora o ambiente de negócios no País.

Moro fala neste início desta noite para empresários do setor industrial no Teatro do Sesi, em São Paulo, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). "Vim aqui para prestar contas da nossa gestão nestes pouco mais de nove meses do Ministério", disse Moro.

Ao chegar, o ministro foi ovacionado de pé pelos empresários que lotam o Teatro do Sesi. Moro lembrou que as prioridades estabelecidas por sua pasta no começo da gestão atual foram justamente o combate à corrupção, ao crime organizado e à criminalidade violenta.

"Desde o início, nossas prioridades foram estabelecer medidas de combate à corrupção e ao crime organizado. Também estabelecemos como prioridade o combate à criminalidade violenta, que tanto aumenta os custos da economia", disse.

União

Moro disse ainda que sua percepção é a de que é preciso unir governo, iniciativa privada e a academia no objetivo do combate à criminalidade. "O objetivo é proteger as pessoas. O combate à corrupção, crime organizado e violência melhora o ambiente de negócio no País", insistiu o ministro.

Ele exaltou a Medida Provisória (MP) que agiliza as vendas de bens confiscados do crime organizado. De acordo com Moro, o crime organizado visa ao lucro e uma forma de combate a este tipo de crime é confiscar os bens dos traficantes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias