opinião

Igor Maciel: Com AI-5, Eduardo Bolsonaro disputa com Carlos para ver quem fala mais bobagem

Ao dizer que 'se a esquerda radicalizar, a solução seria editar um novo AI-5', o garoto de Bolsonaro que quase ganhou um cargo de embaixador nos EUA como presente paterno de aniversário, coloca em dúvida a ideia de que os membros do clã usam a estupidez como estratégia

Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo
Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo
Publicado em 31/10/2019 às 14:59
Artigo
Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Ao dizer que 'se a esquerda radicalizar, a solução seria editar um novo AI-5', o garoto de Bolsonaro que quase ganhou um cargo de embaixador nos EUA como presente paterno de aniversário, coloca em dúvida a ideia de que os membros do clã usam a estupidez como estratégia - FOTO: Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Leitura:

Igor Maciel é titular da coluna Pinga Fogo*

Dos filhos políticos do Presidente da República, Eduardo Bolsonaro (PSL) é o mais novo e, ao que parece, disputa com Carlos Bolsonaro (PSL) para ver quem fala mais bobagem e cria mais problemas. A diferença primária entre eles talvez seja que um faz bobagem pelas redes sociais, e o outro costuma gerar crises com a própria voz e rosto.

>> Entenda como funciona o AI-5, citado por Eduardo Bolsonaro

>> Partidos reagem após fala de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5

>> 'Estão solapando a democracia', diz Marco Aurélio sobre AI-5 citado por Eduardo

Eduardo Bolsonaro é o mesmo que já disse precisar apenas de um cabo e um soldado para fechar o STF. Nesta quinta-feira (31), ao dizer que "se a esquerda radicalizar, a solução seria editar um novo AI-5", o garoto de Bolsonaro, que quase ganhou um cargo de embaixador nos EUA como presente paterno de aniversário, coloca em dúvida a ideia de que os membros do clã usam a estupidez como estratégia. Porque excesso de estupidez, longe de ser um caminho para algo, termina sendo o fim do caminho.

O AI-5 está longe de ser um simples ato de governo Tornou-se o apoio legal de uma ditadura ainda mais cruel, fomentou a censura, tortura e mortes. Usar os protestos que acontecem no Chile para justificar medidas tão extremas evidenciam não apenas falta de maturidade, como quer acreditar o presidente Bolsonaro ao chamar o filho de "garoto". Trata-se de irresponsabilidade, pura e simples. No Chile, os protestos já somam 23 mortos, há pessoas assassinadas por agentes do Estado e pelo menos dois foram mortos dentro de delegacias, depois de presos, no que está sendo investigado como execução por parte das forças de segurança.

Em 2013, o Brasil viveu protestos parecidos, quando a população cansou dos descaminhos do PT no governo. Foi ali que começou a campanha de Bolsonaro. Os protestos eram reflexo da democracia.

Não fosse a democracia, Bolsonaro não estaria presidente hoje. E Eduardo não poderia usar suas credenciais como fritador de hambúrguer para tentar cargos de embaixador. É a democracia que permite essas coisas.

*Igor Maciel é colunista do Jornal do Commercio

Entenda 

O deputado federal e líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro, disse que "se a esquerda radicalizar", a resposta pode vir "via um novo AI-5". A declaração foi dada na última segunda-feira (28), em entrevista à jornalista Lêda Nadgle publicada nesta quinta-feira (31) em seu canal do Youtube. Portanto, antes da reportagem da TV Globo que revelou citação do nome do presidente Jair Bolsonaro nas investigações do Caso Marielle.

Leia Também

    "Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", disse o filho do presidente Jair Bolsonaro. 

    Eduardo também reclamou das críticas que o pai vem recebendo. "Fogo na Amazônia, que sempre ocorre —eu já morei lá em Rondônia, sei como é que é, sempre ocorre nessa estação— culpa do Bolsonaro. Óleo no Nordeste, culpa do Bolsonaro. Daqui a pouco vai passar esse óleo, tudo vai ficar limpo e aí vai vir uma outra coisa, qualquer coisa —culpa do Bolsonaro", concluiu.

    Veja a íntegra da entrevista 

    Últimas notícias