15 DE NOVEMBRO

Mourão exalta 130 anos da República: 'nova etapa de evolução política e social'

O vice-presidente afirmou que o Império fez muito pela "independência e unidade do Brasil", mas teve que "dar lugar a um regime mais consentâneo à realidade nacional"

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 15/11/2019 às 13:20
Notícia
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
O vice-presidente afirmou que o Império fez muito pela "independência e unidade do Brasil", mas teve que "dar lugar a um regime mais consentâneo à realidade nacional" - FOTO: Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Leitura:

O vice-presidente Hamilton Mourão comemorou o aniversário de 130 anos da República no Brasil neste feriado de 15 de novembro e afirmou que, com a República, "entramos em nova etapa de evolução política e social". Para Mourão, o Império fez muito pela "independência e unidade do Brasil", mas teve que "dar lugar a um regime mais consentâneo à realidade nacional".

"Parabéns brasileiros! Há 130 anos, com a Proclamação da República, entramos em nova etapa de evolução política e social. Muito fez o Império pela independência e unidade do Brasil, mas abalado por graves crises teve que dar lugar a um regime mais consentâneo à realidade nacional", escreveu o general da reserva em sua conta no Twitter.

Nesta semana, o vice-presidente teve seu nome envolvido com o do "príncipe" Luiz Philippe de Orleans e Bragança, deputado federal pelo PSL. O presidente Jair Bolsonaro teria dito, durante reunião que selou sua decisão de deixar a legenda e criar um novo partido, que Orleans e Bragança era quem deveria ter sido seu vice, e não Mourão.

Em entrevista ao Estado, Mourão afirmou que pessoas presentes à reunião lhe informaram que o presidente não falou isso e que não se sente chateado com a situação. O vice-presidente disse que não vê problemas se não for escolhido para compor a chapa de Bolsonaro nas eleições de 2022 e reforçou seu alinhamento ao presidente. "Eu não sou o ator principal deste filme", afirmou.

Weintraub critica a Proclamação

Na contramão de Mourão, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi ao Twitter para criticar a Proclamação da República, a qual chamou de uma "infâmia contra um patriota, honesto, iluminado, considerado um dos melhores gestores e governantes da História", se referindo a Dom Pedro II, imperador deposto pelos militares na queda do Império.

"Não estou defendendo que voltemos à Monarquia mas...O que diabos estamos comemorando hoje? Há 130 anos foi cometida uma infâmia contra um patriota, honesto, iluminado, considerado um dos melhores gestores e governantes da História (Não estou restringindo a afirmação ao Brasil)", escreveu Weintraub, que ainda aproveitou para criticar a ex-presidente Dilma Rousseff e pedir para as feministas "refletirem".

"Para as feministas refletirem: o Império teve seus dois principais atos assinados por mulheres educadas, inteligentes e HONESTAS! Elas nos governaram bem antes de Dilma. A Lei Áurea e Nossa Independência foram assinadas respectivamente pela Princesa Isabel e por Dona Leopoldina", disse o ministro.

'Príncipe-deputado'

Em entrevista ao programa Resenha Política, da TV JC, na manhã desta sexta-feira (15), o deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), herdeiro da família imperial brasileira, afirmou que não há o que comemorar neste 15 de novembro e sugeriu a revogação do feriado da Proclamação da República.

"Não há o que comemorar hoje (sexta,15). Quem sabe, quando tivermos a consciência ampla de que isso foi um golpe de estado prejudicial à estabilidade política do Brasil, a gente revogue esse feriado", falou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias