PSL

Bolsonaristas se dizem perseguidos no conselho de ética do PSL

Uma carta foi entregue pelos parlamentares ao PSL pedindo a abertura das contas

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 20/11/2019 às 20:50
Notícia
Foto: Reprodução/Twitter
Uma carta foi entregue pelos parlamentares ao PSL pedindo a abertura das contas - FOTO: Foto: Reprodução/Twitter
Leitura:

O grupo do PSL próximo ao presidente Jair Bolsonaro tem reclamado de perseguição desde que foram instaurados processos contra eles no Conselho de Ética da sigla. No auge da crise interna do partido, esses parlamentares assinaram uma carta pedindo ao PSL a abertura das contas. Na sequência, eles foram acusados de terem atacado a própria sigla e foram notificados.

Os deputados chegaram a impedir na Justiça o processo no Conselho de Ética, mas o partido recorreu e ganhou. Os procedimentos podem resultar em simples advertência até a expulsão dos correligionários. "Ousamos pedir transparência - o que nos foi negado - e, a partir desse pleito justo, passamos a sofrer perseguições, constrangimentos, insultos e ameaças", afirmou o líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO).

Divergências

Como exemplo da suposta perseguição, Vitor Hugo citou o afastamento dos bolsonaristas de comissões temáticas da Casa pelo então líder do partido, deputado Delegado Waldir (PSL-GO). "O que nos impediu de, no exercício legítimo dos nossos mandatos, votar pautas caras aos cidadãos que representamos", disse.

Foi justamente uma tentativa de conter essas mudanças das funções dos parlamentares na Câmara que deu início à chamada "batalha das listas" que levou o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à liderança da bancada. Enquanto o grupo de deputados realizava uma coletiva para fazer a denuncia de perseguição, o PSL dava início aos processos no Conselho de Ética contra esses parlamentares. Eduardo é um dos alvos.

"Repudiamos a perseguição contra os deputados. Vamos nos defender e provar que agimos em consonância, não só com a Constituição, mas também com todos os valores que os brasileiros esperam", disse. Vitor Hugo, no entanto, não disse quais são as medidas que eles podem tomar contra o Conselho de Ética do partido.

Ainda segundo Vitor Hugo, esse grupo de deputados deve migrar para o partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta criar, o Aliança pelo Brasil.

"Vamos fazer isso a partir da criação da Aliança e de uma representação que vai ser feita à Justiça Eleitoral para possibilitar nossa saída, sem a perda do mandato", disse. Ele estima que cerca de 30 deputados do PSL devem mudar de legenda.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias