Dólar

'Eu, como cidadão, acho que está um pouquinho alto o dólar', diz Bolsonaro

Bolsonaro disse que costuma conversar com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para saber o motivo da alta do dólar

Ana Gabriela Lima
Ana Gabriela Lima
Publicado em 13/02/2020 às 11:15
Notícia
Válter Campanato/Agência Brasil
Bolsonaro disse que costuma conversar com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para saber o motivo da alta do dólar - FOTO: Válter Campanato/Agência Brasil
Leitura:

Após alta recorde do dólar, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou que o preço da moeda está "um pouquinho alto". Ele não quis comentar a declaração polêmica do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o dólar mais baixo permitia a empregadas irem à Disney e virou "uma festa danada".

"Pergunta para quem falou isso. Eu respondo pelos meus atos", disse Bolsonaro nesta quinta-feira, 13, ao ser questionado sobre a fala de Guedes por jornalistas na saída do Palácio da Alvorada "Respondo pelos meus atos", insistiu diante de novos questionamentos sobre o que achou da declaração.

>> Guedes elogia dólar alto e diz: 'Empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada. Pera aí'

Bolsonaro disse que costuma conversar com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para saber o motivo da alta do dólar, mas que não interfere diretamente nas decisões da área econômica. O presidente considera que o valor de R$ 4,35 do dólar, que marcou a quarta alta consecutiva, está "um pouquinho alto".

>> Dólar passa de R$ 4,28 e fecha no maior nível desde criação do real

"De vez em quando eu converso com o Roberto Campos (Neto). Vocês sabem que eu entendo para burro de economia, sabem disso. E está dando certo a economia por causa disso, porque eu não interfiro. Por exemplo, quando acaba a reunião do Copom, quando decide 4,25 (%), daí eu converso: 'Roberto, o que aconteceu?'. Apenas depois que aconteceu. Eu, como cidadão, está um pouquinho alto, está um pouquinho alto o dólar", declarou o presidente.

Empregadas na Disney

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta quarta-feira o atual patamar da taxa de câmbio e afirmou que "não tem negócio de câmbio a R$ 1,80", o que estaria desincentivando até mesmo o turismo interno.

"Todo mundo indo pra Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disneylândia. Uma festa danada. Peraí. Vai passear ali em Foz de Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, cheio de praia bonita. Vai pra Cachoeiro de Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu. Vai passear no Brasil, vai conhecer o Brasil, que tá cheio de coisa bonita pra ver", afirmou Guedes, em palestra no evento realizado em Brasília no final da tarde.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias